sábado, 28 de fevereiro de 2015

Mais de mil associados comparecem em prestação de contas do Sicredi Sul

Postado em 28/02/2015 as 09:24 por Redação em Notícias > Economia
FONTE: REPORTAGEM PRIMEIRA HORA Associados do Sicredi Sul estiveram reunidos, na noite quinta-feira (26) em assembleia geral, no Idéia's Buffet para prestação de contas, referente ao exercício de 2014. Em um ano o capital social a cooperativa cresceu mais de 59%. A Cooperativa encerrou o exercício de 2014 com ativos totais de R$ 500.364 mil, aumento de 25,40% em relação a 2013. De acordo com o divulgado, as operações de crédito totalizaram em dezembro de 2014 R$ 332.514 mil, crescimento de 18,55% comparado com mesmo período do ano anterior. O Sicredi Sul também evolui nos recursos captados e administrados, nos quais se englobam depósitos, convênios, arrecadações e patrimônio líquido. A movimentação em dezembro de 2014 chegou a R$ 284.905 mil, valores que superam a marca de 2013 em 26,04%. O patrimônio líquido foi outro quesito que obteve crescimento satisfatório e chegou a R$ 85.049 mil em 2014, evolução de 32,86% em relação a 2013. A assembleia geral encerrou um ciclo de reuniões para prestação de contas em todas as unidades que correspondem ao Sicredi Sul. “Em todas as cidades que apresentamos os números, os associados compareceram em peso. Isso é muito importante, mostra interesse e confiança em nossa cooperativa. O Sicredi Sul é uma instituição séria, formada por pessoas sérias, não é por acaso que crescemos mais 59% de 2013 pra cá”, explica Marco Túlio Duarte Soares , presidente. O que é o Sicredi O Sicredi, instituição financeira cooperativa, é referência internacional pelo modelo de atuação em sistema. São 100 cooperativas de crédito filiadas, que operam com uma rede de atendimento com 1.321 pontos. A estrutura conta ainda com quatro Centrais Regionais – acionistas da Sicredi Participações S.A., uma Confederação, uma Fundação e um Banco Cooperativo e suas empresas controladas. Todas essas entidades, juntas, formam o Sicredi e adotam um padrão operacional único. A atuação em sistema permite ganhos de escala e aumenta o potencial das cooperativas de crédito para exercer a atividade em um mercado no qual estão presentes grandes conglomerados financeiros. Feito por pessoas e para pessoas, o Sicredi tem como diferencial um modelo de gestão que valoriza a participação. Os mais de 2,9 milhões de associados votam e decidem sobre os rumos da sua cooperativa de crédito.

28/02/2015 - 11:35

Analistas e indústria veem risco a emprego com medidas de ajuste O Globo SÃO PAULO - Se a situação já era ruim com a perspectiva de um crescimento próximo de zero — ou mesmo recuo da economia — neste ano, o aumento de até 150% das alíquotas da contribuição que foram beneficiadas pela desoneração da folha tende a dificultar ainda mais a manutenção e a criação de novos empregos. Esta é a avaliação de analistas e empresários . — Não fiz as contas, mas, com a mudança, o governo vai arrecadar mais. E quando se aumenta a tributação, se as empresas não podem repassar para os preços, como no momento atual, de baixa atividade, ou elas abrem mão do lucro ou vão produzir menos (cortando empregos) — diz Hélio Zylberstajn, professor de Economia e Relações do Trabalho da USP. Segundo ele, ao elevar a contribuição sobre o faturamento, o governo dá a impressão de que quer “empurrar” as empresas de volta à tributação sobre a folha de pagamentos. PROBLEMA EXTRA PARA O VAREJO Para Fernando Zilveti, professor de Tributação e Finanças Públicas da FGV, além do “impacto direto” sobre o emprego, a mudança impõe às empresas um custo operacional altíssimo. — É uma má notícia para o mercado de trabalho. A desoneração era temporária e aí, antes da eleição (em 2014), o governo declara definitivo. Agora, muda as regras, e o custo para alterar os sistemas é muito alto. Cria um problema para setores como o varejo, que já estão com as vendas em baixa. O presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, entende que ao elevar em até 150% as contribuições sobre o faturamento, na prática, o governo acaba com o programa de desoneração da folha. — Quando foi criada, lá atrás, se dizia que um dos objetivos era a geração de até 200 mil empregos. Agora, se retroage e destrói a medida. Avaliação semelhante foi feita pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). “A MP 669 representa aumento da carga de impostos sobre a indústria, que segundo estudo da Firjan já atinge 45,4%” diz nota da federação. Fernando Pimentel, diretor executivo da Abit, associação que reúne as indústrias do setor têxtil e de confecções, lembra que, antes de elevar as alíquotas, o governo sequer negociou ou conversou com a indústria, particularmente com os setores que empregam muito e enfrentam a concorrência dos importados, como o seu. — É uma visão completamente desconectada da necessidade de resgate da competitividade sistêmica da indústria brasileira — avalia. De acordo com Pimentel, com a mudança “a tendência natural é o aumento de custos, perda de competitividade e de empregos”. Zylbertajn ressalta que, se a contribuição sobre a folha já é um imposto ruim, a cobrança sobre o faturamento é ainda pior, já que não se sabe os critérios usados para escolher os setores, que ainda eram obrigados a migrar para o novo sistema. O único ponto positivo da nova regra, diz o professor, é ser opcional para as empresas.

Escritor turco Yasar Kemal morre aos 92 anos

28/02/2015 14h52 - Atualizado em 28/02/2015 14h52 Escritor turco Yasar Kemal morre aos 92 anos Yasar Kemal estava internado desde o dia 14 de janeiro. Ele era considerado o máximo expoente da literatura da Turquia. Da Agência Efe O escritor turco Yasar Kemal, considerado o máximo expoente da literatura da Turquia, morreu neste sábado (28) aos 92 anos após passar algum tempo internado.
O escritor, nascido em 1923 na província de Osmaniye, no sul da Turquia, sob o nome de Kemal Sadik Gökçeli, foi desde meados do século XX o romancista mais popular da Turquia, e suas obras foram traduzidas para 40 idiomas. O autor de "Memed meu Falcão" tinha sido internado em 14 de janeiro com problemas respiratórios e arritmia cardíaca, e desde então permaneceu hospitalizado em Istambul. O médico Mehmet Akif Karan declarou ao jornal "Hürriyet" que o escritor, sob tratamento intensivo por uma infecção pulmonar, morreu em decorrência de falência múltipla dos órgãos. Em 1955 Yasar Kemal alcançou fama nacional com o romance épico "Ince Memed" ('Memed meu Falcão' no Brasil), que narra a luta de um jovem camponês contra as autoridades. A figura do bandido justiceiro pode ter sido inspirada por familiares próximos de Kemal, que foi criado em uma família pobre e que fez vários bicos na adolescência antes de estudar em Ancara. A mistura de elementos folclóricos e lendas populares, com uma visão de crítica social próxima à luta de classes, tornou as obras de Kemal extremamente populares na Turquia. Além disso, ele é reconhecido por ter levado para a literatura o turco falado nas classes populares, inaugurando assim uma nova fase na literatura turca, herdeira de obras com rebuscado estilo na norma culta do idioma otomano. Máximo expoente da literatura turca, a língua materna de Yasar Kemal era o curdo: seus pais emigraram de Van, no leste do país, para assentar-se na Cilícia mediterrânea, uma paisagem que o escritor retratou magistralmente. Yasar Kemal recebeu vários prêmios internacionais e foi considerado na Turquia um eterno candidato ao prêmio Nobel. Além de romancista, Kemal foi um intelectual comprometido com ideias da esquerda turca e chegou a ser condenado a 20 meses de prisão nos anos 90 por 'defender o separatismo', pena depois suspensa. O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, ligou hoje para a viúva de Kemal, Ayse Semiha Baban, para oferecer suas condolências. tópicos: Turquia

Em parque eólico no Uruguai, Dilma defende integração do continente

28/02/2015 13h38 - Atualizado em 28/02/2015 13h48 Em parque eólico no Uruguai, Dilma defende integração do continente Ela inaugurou o parque ao lado de Mujica, que deixa o poder neste sábado. Para a presidente, América Latina tem a 'obrigação de se unir'. Do G1, em Brasília
A presidente Dilma Rousseff, que neste sábado (28) participou da inauguração de um parque eólico na cidade de Tarariras, no Uruguai, defendeu em seu discurso no evento uma maior integração entre os países da América Latina. Dilma estava ao lado do presidente uruguaio, José Mujica, que também pregou maior cooperação no continente. "Nós temos a obrigação de nos esforçar para nos unirmos, de tomar todas as providências para que possamos desfrutar de sermos um continente com grande riqueza [...] É possivel, sim, a integração. E é possível com os dois lados ganhando", afirmou Dilma. O parque, entrou em operação em dezembro do ano passado com o funcionamento de três dos 31 aerogeradores. Fornecerá energia para cidades uruguaias e brasileiras. Segundo a Eletrobras, Artilleros tem potência instalada (capacidade de geração de energia) de 65,1 MW. Neste domingo (1º), ainda n Uruguai, Dilma participa ainda da cerimônia de posse de Tabaré Vázquez, que sucederá José Mujica na presidência do país. Mujica discursou logo após Dilma na inauguração do parque eólico. Ele também defendeu maior cooperação entre os países latinoamericanos. "Brigar pelo desenvolvimento do vizinho é brigar pelo próprio desenvolvimento", afirmou o uruguaio.

Ministro determina que PF investigue casos denunciados no Swissleaks

28/02/2015 10h24 - Atualizado em 28/02/2015 11h30 Ministro determina que PF investigue casos denunciados no Swissleaks Documentos do HSBC apontam contas usadas para fraudes na Suíça. Eduardo Cardozo, da Justiça, quer apuração de ilícitos de brasileiros. Do G1, em Brasília O Ministério da Justiça informou neste sábado (28) que o ministro José Eduardo Cardozo determinou à Polícia Federal que investigue eventuais irregularidades relacionadas a brasileiros nas denúncias do Swissleaks, como foi batizado o vazamento de dados bancários de clientes de uma agência do HSBC na Suíça. Os dados são analisados por um grupo de jornalistas do mundo inteiro, chamado de Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ). Há duas semana, o consórcio começou a divulgar as informações segundo as quais o HSBC teria ajudado clientes a esconder bilhões de dólares no país europeu entre 2006 e 2007. Há 8.000 correntistas brasileiros na agência. PGR vai investigar se houve remessa ilegal de dinheiro para Suíça via HSBC SwissLeaks cita 31 pessoas ligadas a empresas de ônibus do Rio De acordo com a nota do Ministério da Justça, o ministro quer a apuração de "possíveis atos ilícitos" envolvendo os brasileiros correntistas. "A determinação ao diretor-geral do Departamento de Polícia Federal, Leandro Daiello, é que que se faça análise, apuração de eventuais ilícitos e adoção das providências cabíveis”, diz o texto da pasta da Justiça. O Brasil aparece como o nono país da lista de correntistas, com US$ 7 bilhões nas contas no período em questão. Segundo os arquivos, 8.667 clientes tinham algum vínculo com o Brasil, sendo 55% com a nacionalidade brasileira. Ônibus do Rio Na última quarta-feira (25), o consórcio de jornalistas divulgou que 31 sócios, integrantes da diretoria e empresários ligados a empresas de ônibus do Rio tinham recursos aplicados em contas na subsidiária do banco na Suíça, nos anos de 2006 e 2007. Entre os nomes de empresários de ônibus do Rio citados na lista de clientes do HSBC estáo empresário Jacob Barata, conhecido como o "Rei dos Ônibus". Barata, que tem participação em 16 empresas de ônibus na cidade, teria mantido US$ 17,6 milhões em uma conta conjunta com familiares no HSBC da Suíça, entre 2006 e 2007. A assessoria do empresário divulgou nota negando que ele tenha contas bancárias na Europa. Segundo o documento, Jacob Barata Filho nega "veementemente a existência das mencionadas contas relacionadas à sua família, cujos supostos valores divulgados pela imprensa são absurdos". De acordo com o Banco Central, residentes no Brasil – pessoas físicas ou jurídicas – podem ser titulares de contas em moeda estrangeira no exterior, desde que as remessas sejam feitas em rede bancária autorizada a operar em câmbio. Além disso, donos de contas e ativos no exterior superiores ou equivalentes a US$ 100 mil devem prestar declarações anualmente ao BC. Investigações A Receita Federal já havia informado que teve acesso aos nomes dos brasileiros e que vai apurar as irregularidades, uma vez que, para ter conta no exterior, é preciso informar ao Banco Central e à Receita. A Procuradoria-Geral da República também abriu, na semana passada, um procedimento para apurar suspeitas de evasão fiscal no caso Swissleaks. Desde o ínicio do mês, a investigação batizada de "SwissLeaks" apontou que várias personalidades políticas, do entretenimento, do esporte e dos negócios estão envolvidas em um caso de fraude fiscal com suas contas no HSBC. Os clientes teriam utilizado artifícios para manter em suas contas dinheiro não declarado entre 2005 e 2007.

Dilma afirma que Levy foi 'infeliz' ao criticar política de desoneração

28/02/2015 14h14 - Atualizado em 28/02/2015 14h51 Dilma afirma que Levy foi 'infeliz' ao criticar política de desoneração Ministro da Fazenda disse que 'brincadeira' não deu certo e custa R$ 25 bi. Presidente contestou ministro antes de participar de solenidade no Uruguai. Do G1, em Brasília
A presidente Dilma Rousseff afirmou neste sábado no Uruguai que o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, foi "infeliz" ao declarar que a "brincadeira" da desoneração da folha de pagamento de segmentos empresariais custa R$ 25 bilhões por ano e é "extremamente cara". Levy fez o comentário nesta sexta-feira, ao anunciar uma redução na desoneração, que, para ele, "não deu os resultados que se imaginava" e não serviu para proteger o nível de emprego. Segundo o ministro, em um momento em que a economia está se ajustando, as empresas também "vão ter de se ajustar". Para ele, o setor empresarial vai descobrir novos caminhos para continuar crescendo com menos transferências e renúncias fiscais do governo. Acredito que a desoneração da folha foi importantíssima – e continua sendo. Se ela não fosse importante, nós tínhamos eliminado e simplesmente abandonado. Acho que o ministro foi infeliz no uso do adjetivo." Presidente Dilma Rousseff Dilma contestou a declaração do ministro durante entrevista em Colonia do Sacramento, no Uruguai, antes de participar da inauguração de um parque eólico resultante de parceria entre as estatais brasileira Eletrobras e uruguaia UTE. "Acredito que a desoneração da folha foi importantíssima – e continua sendo. Se ela não fosse importante, nós tínhamos eliminado e simplesmente abandonado. Acho que o ministro foi infeliz no uso do adjetivo. Agora, o fato é que tanto o ministro como todos os setores estão comprometidos com uma melhoria das condições fiscais do Brasil", declarou Dilma. Segundo a presidente, a desoneração da folha "é hoje uma realidade" e pode ser ajustada "para cima ou para baixo", de acordo com a conjuntura econômica. "O que nós garantimos é que haja um reajuste das condições. [A desoneração] será sempre um instrumento e não é um instrumento pura e simplesmente de ajuste fiscal. É um instrumento que vai permanecer. Agora, em certas conjunturas, tem de ser reajustado, ou para cima ou para baixo", afirmou. A presidente disse que o Brasil sairá da crise econômica porque as atuais dificuldades são "conjunturais". Segundo ela, o emprego e a renda serão assegurados. "Pode ter certeza que o Brasil vai sair dessa crise ainda mais forte porque tem fundamentos sólidos. Nós passamos por dificuldades conjunturais, e isso garantirá que o pais sairá [da crise] com outro patamar, podendo continuar a crescer, garantindo os empregos que nós criamos e garantindo a renda que nós conquistamos", disse. Dilma defende integração do continente em inauguração de parque eólico no Uruguai 'Brincadeira' da desoneração se mostrou 'extremamente cara', diz Levy Medida 'acaba com o programa de desoneração da folha', diz Fiesp Economista defende em estudo que desoneração da folha gerou emprego Indagada se estava reconhecendo erros na condução da política econômica, Dilma respondeu: "Meu querido, quando a realidade muda, a gente muda. É impossível achar por exemplo que a tarifa de energia decorre de erros. O aumento da tarifa de energia decorre da chuva. Quando aumenta a chuva, diminui a tarifa de energia porque entra energia hidrelétrica. Quando diminui a chuva, diminui a energia hidrelétrica, e a gente tem de contratar [energia] térmica, e térmica é mais caro", afirmou. Na solenidade, da qual participou ao lado do presidente uruguaio José Mujica, Dilma defendeu em discurso a integração da América Latina. "Nós temos a obrigação de nos esforçar para nos unirmos, de tomar todas as providências para que possamos desfrutar de sermos um continente com grande riqueza [...] É possivel, sim, a integração. E é possível com os dois lados ganhando", afirmou Dilma. Neste domingo (1º), Dilma participará em Montevidéu da cerimônia de posse do presidente eleito do Uruguai, Tabaré Vazquez, que sucederá José Mujica pelos próximos cinco anos. tópicos: Dilma Rousseff, José Mujica

BC da China corta taxa básica de juros

sábado, 28 de fevereiro de 2015 09:25 BRT PEQUIM (Reuters) - O banco central da China anunciou neste sábado o corte da taxa de juros de referência no país em 0,25 ponto percentual, para 5,35 por cento. A autoridade monetária chinesa também informou que vai liberar mais as taxas de juros, elevando o teto para a taxa de depósito para 1,3 vez o nível de referência. O Banco do Povo da China também cortou a taxa depósito em 0,25 ponto percentual, para 2,5 por cento. © Thomson Reuters 2015 All rights reserved.

Prazo para declarar Imposto de Renda começa na segunda-feira

28/02/2015 07h10 - Atualizado em 28/02/2015 07h10 Prazo para declarar Imposto de Renda começa na segunda-feira Prazo vai até 30 de abril deste ano. Quem perder paga multa de R$ 165,74. Do G1, em São Paulo A Receita Federal começa a receber na segunda-feira (2) as declarações de Imposto de Renda 2015. Os contribuintes têm até 30 de abril para entregar o documento ao fisco. Os contribuintes que enviarem a declaração no início do prazo, sem erros, omissões ou inconsistências, também recebem mais cedo as restituições do Imposto de Renda – caso tenham direito a ela. Idosos, portadores de doença grave e deficientes físicos ou mentais têm prioridade. Os valores começam a ser pagos em junho de cada ano pelo governo e seguem até dezembro, geralmente em sete lotes.
Quem precisa declarar Estão obrigadas a apresentar a declaração as pessoas físicas que receberam rendimentos tributáveis superiores a R$ 26.816,55 em 2014 (ano-base para a declaração do IR deste ano). Também devem declarar os contribuintes que receberam rendimentos isentos, não-tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40 mil no ano passado. A apresentação do IR é obrigatória, ainda, para quem obteve, em qualquer mês de 2014, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas
Se o contribuinte entregar depois do prazo ou se não declarar, caso seja obrigado, poderá ter de pagar multa de 1% ao mês-calendário ou fração de atraso, calculada sobre o total do imposto devido nela calculado, ainda que integralmente pago, ou uma multa mínima de R$ 165,74.
Os programas para fazer a declaração serão liberados apenas na segunda-feira (2), a partir das 8h.
O contribuinte que usou a aplicação de rascunho poderá fazer a importação dos dados para o programa de declaração do Imposto de Renda. Mas quem não fez o rascunho já não poderá mais usar a aplicação a partir de domingo (1º).
A declaração poderá ser entregue pela internet, com o programa de transmissão da Receita Federal (Receitanet), online (com certificado digital), na página do próprio Fisco, ou por meio do serviço "Fazer Declaração" – para tablet e smartphone, como já aconteceu no ano passado. "O serviço 'Fazer Declaração' é acessado por meio do aplicativo APP IRPF, disponível nas lojas de aplicativos Google play, para o sistema operacional Android, ou App Store, para o sistema operacional iOS", informou a Receita Federal.
Os contribuintes que possuem CPF eletrônico podem usar a declaração pré-preenchida, na qual os valores são apresentados para o contribuinte e ele apenas tem de confirmá-los.
Caso o contribuinte tenha imposto a pagar em sua declaração do IR, a Receita informou que isso poderá ser dividido em até oito cotas mensais, mas nenhuma delas pode ser inferior a R$ 50. Caso o imposto a pagar seja menor do que R$ 100, deverá ser quitado em cota única. A primeira cota, ou a única, devem ser pagas até 30 de abril e as demais, até o último dia útil de cada mês, acrescidas de juros. tópicos: Economia, Receita Federal, Seu Dinheiro

Dilma inaugura parque eólico e vai à posse de novo presidente no Uruguai

28/02/2015 06h00 - Atualizado em 28/02/2015 06h00 Dilma inaugura parque eólico e vai à posse de novo presidente no Uruguai Tabaré Vázquez foi eleito com 53,6% dos votos e sucederá José Mujica. Dilma também inaugurará parque eólico que gerará energia para o Brasil. Filipe Matoso Do G1, em Brasília A presidente Dilma Rousseff viaja neste sábado (28) para o Uruguai, onde participará no domingo (1º) da cerimônia de posse de Tabaré Vázquez, que sucederá José Mujica na presidência do país. Na manhã deste sábado, Dilma irá à inauguração do Parque Eólico de Artilleros, em Tarariras, cidade a cerca de 170 quilômetros da capital Motevidéu. Médico oncologista, Tabaré Vázquez, 74 anos, foi eleito em dezembro do ano passado para presidir o Uruguai até 2019. Candidato do governo, ele já comandou o país entre 2005 e 2010. Substituto de José Mujica, o presidente eleito recebeu, de acordo com a Corte Eleitoral do Uruguai, 53,6% dos votos. As atividades posse de Tabaré Vazques no domingo (1º) devem começar por volta das 9h locais (8h pelo horário de Brasília). Na Assembleia Geral do Uruguai, equivalente ao Congresso Nacional brasileiro, ele participará da cerimônia de Compromisso Constitucional e, em seguida, irá para a Praça Independência, em frente, onde haverá outro evento. Não há previsão de discursos da presidente Dilma. Vázquez e Mujica estiveram em Brasília em 1º de janeiro deste ano, quando Dilma tomou posse para o segundo mandato Milhares de uruguaios saúdam José Mujica em despedida da Presidência Tabaré Vázquez é eleito presidente do Uruguai Com Dilma, Lula e Mujica, PT celebra 35 anos de fundação em BH Dilma faz homenagem a Mujica em discurso na Cúpula do Mercosul Parque eólico Neste sábado, a presidente visita o Parque Eólico de Artilleros, conjunto com 31 aerogeradores construídos por meio de parceria entre a Eletrobras e a Administración Nacional de Usinas y Trasmisiones Eléctricas (UTE) e a energia gerada abastecerá cidades do Brasil e Uruguai. O parque, entrou em operação em dezembro do ano passado com o funcionamento de três dos 31 aerogeradores. Fornecerá energia para cidades uruguaias e brasileiras. Segundo a Eletrobras, Artilleros tem potência instalada (capacidade de geração de energia) de 65,1 MW. Conforme a programação, após participarem da inauguração do parque eólico, Dilma e Mujica almoçarão juntos em Anchorena, residência oficial de campo do governo uruguaio. Após o almoço, a presidente seguirá para Montevidéu. Amigos pessoais, Dilma e Mujica acumularam diversos encontros nos últimos anos. Neste mês por exemplo, ele esteve em Belo Horizonte (MG) ao lado da presidente para participar da comemoração de 35 anos de fundação do PT. Em diversos momentos, tiveram conversas ao pé do ouvido, com direito a risos e tapas no ombro de um e de outro. Rio de Janeiro Após participar da posse de Vázquez, Dilma viajará para o Rio de Janeiro, onde deve participar neste domingo de dois eventos em comemoração aos 450 anos da cidade. À tarde, ela irá à inauguração do Túnel Rio 450 e, no final da tarde, à festa de aniversário do Rio, no Palácio da Cidade, em Botafogo. tópicos: Dilma Rousseff, José Mujica

Dilma reduz viagens no 1º bimestre em relação aos anos anteriores

28/02/2015 06h00 - Atualizado em 28/02/2015 06h00 Dilma reduz viagens no 1º bimestre em relação aos anos anteriores Janeiro-fevereiro 2015 é primeiro bimestre em que ela fez menos viagens. Nos mesmos meses de 2014, presidente foi a 14 cidades; agora, a três. Vitor Matos Do G1, em Brasília Os dois primeiros meses do segundo mandato de Dilma Rousseff foram os que ela menos viajou para participar de eventos públicos pelo país em comparação com os janeiros e fevereiros dos outros anos de governo da presidente, segundo dados da agenda oficial, disponíveis no site do Palácio do Planalto. Neste ano, a presidente saiu de Brasília para participar de cerimônias públicas em três cidades. Nos mesmos meses dos outros anos do mandato, Dilma teve pelo menos o dobro de viagens pelo país para participar de eventos públicos. Em 2011 foram seis. Depois, em 2012, foram 14; em 2013, sete; e, em 2014, 11. Os eventos públicos oficiais são comuns na agenda da presidente desde quando ela começou a governar, em 2011. Nas viagens que faz a diversas cidades do país nas cinco regiões, Dilma inaugura obras, participa de formaturas de alunos do programa Pronatec, entrega moradias do Minha Casa Minha Vida, entre outras atividades ligadas ao mandato. Ela quase sempre faz um discurso nessas ocasiões, para plateias formadas por políticos locais e moradores da região. Nos dois primeiros meses de 2015, esse tipo de evento foi mais raro do que em qualquer outro ano da gestão da presidente. Em janeiro, ela não teve agenda pública no país em nenhuma cidade fora de Brasília. Em fevereiro, até a última semana, fez uma viagem, para Campo Grande (MS), no dia 3, quando participou da inauguração da Casa da Mulher Brasileira Depois, no dia 25, a presidente foi a Feira de Santana (BA) para entregar moradias do Minha Casa Minha Vida. O terceiro evento de fevereiro foi na última sexta (27), em Santa Vitória do Palmar (RS), para a inauguração de um parque eólico. A menor frequência de viagens pelo pais neste início de 2015 coincide com um dos períodos mais conturbados da gestão da petista. Ela enfrenta dificuldades na economia e resistência de partidos da base aliada no Congresso, em um ambiente político marcado pela denúncias da Operação Lava Jato, que apura esquema de corrupção na Petrobras. Além do menor número de viagens pelo país, Dilma passou do dia 22 de dezembro de 2014 a 3 de fevereiro, na viagem a Campo Grande, sem conversar com jornalistas. Nesse período, o governo editou medidas provisórias para poupar recursos da União que desagradaram a setores da sociedade, como as centrais sindicais. As medidas, chamadas de ajustes pelo governo, tornaram mais rigorosas regras para acesso a benefícios previdenciários. Segundo o blog do jornalista Gerson Camarotti, aliados vêm orientando a presidente a dar mais entrevistas, até como uma maneira de esvaziar as críticas. Depois da entrevista coletiva do dia 3, a primeira de 2015, ela concedeu mais três, todas nos últimos dez dias: uma em Feira de Santana e duas em Brasília. Veja abaixo todas as viagens que Dilma fez pelo país para participar de eventos públicos nos meses de janeiro e fevereiro dos últimos cinco anos: 2011 13/1/2011 - Rio de Janeiro. Sobrevoo a áreas atingidas pela chuva e declaração à imprensa 25/1/2011 - São Paulo. Cerimônia de entrega da Medalha 25 de Janeiro 27/1/2011 - Rio de Janeiro. Anúncio de unidades habitacionais para os desabrigados da Região Serrana e Visita ao Centro de Operações da Prefeitura do Rio de Janeiro 27/1/2011 - Porto Alegre. Cerimônia alusiva ao Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto 21/2/2011 - Aracaju. Cerimônia de abertura do XII Fórum dos Governadores do Nordeste 21/2/2011 - São Paulo. "Comemoração dos 90 anos de fundação da Folha de S. Paulo" 2012 12/1/2012 - São Paulo. Cerimônia de assinatura do termo de adesão ao programa Minha Casa, Minha Vida pelo Governo do Estado de São Paulo 18/1/2012 - Angra dos Reis (RJ). Cerimônia de inauguração do Centro Municipal de Educação 25/1/2012 - São Paulo. Cerimônia de entrega da Medalha 25 de Janeiro no âmbito das comemorações do 458º aniversário de fundação da cidade de São Paulo 26/1/2012 - Porto Alegre. Cerimônia no Palácio Piratini e Fórum Social Mundial - Diálogos entre Sociedade Civil eGoverno 29/1/2012 - Salvador. Cerimônia alusiva ao Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto 8/2/2012 - Floresta (PE). Apresentação sobre o Projeto de Integração do Rio São Francisco com as Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional 8/2/2012 - Juazeiro do Norte (CE). Reunião de encaminhamento com representantes dos consórcios envolvidos nas obras do Programa de Integração do Rio São Francisco 9/2/2012 - São José do Belomonte (PE). Visita às obras da Transnordestina. 13/2/2012 - Rio de Janeiro. Cerimônia de posse da presidente da Petrobras, Maria das Graças Silva Foster. 16/2/2012 - Caxias do Sul (RS). Cerimônia de inauguração da 29ª Festa Nacional da Uva e 23ª Feira Agroindustrial 27/2/2012 - Fortaleza. Cerimônia de anúncio de investimentos para a implantação da linha Leste do Metrô de Fortaleza 27/2/2012 - Caucaia (CE). Visita às obras do trecho V do Eixo de Integração Castanhão-Pecém 28/2/2012 - Recife.Cerimônia de entrega de 480 unidades habitacionais do Conjunto Habitacional Via Mangue - Residencial II 2013 18/1/2013 - São Julião (PI). Cerimônia de assinatura de ordens de serviço das obras e aquisição de equipamentos para a Adutora Padre Lira 18/1/2013 - Teresina. Cerimônia de entrega de 400 unidades habitacionais. 25/1/2013 - São Paulo. Cerimônia de entrega de 300 unidades habitacionais do Condomínio Residencial Iguape 29/1/2013 - Estância (SE). Cerimônia de inauguração do Parque Eólico Barra dos Coqueiros 1/2/2013 - Belém.Cerimônia de entrega de 1.080 unidades habitacionais do Programa Minha Casa Minha Vida 4/2/2013 - Cascavel (PR). Cerimônia de entrega de 29 máquinas retroescavadeiras a municípios do estado do Paraná erimônia de inauguração de Unidade Industrial de Beneficiamento de Leite e Derivados 4/2/2013 - Arapongas (PR). Cerimônia de inauguração de Unidade Industrial de Beneficiamento de Leite e Derivados 2014 17/1/2014 - Belo Horizonte. Cerimônia de anúncio de investimentos do PAC 2 Mobilidade Urbana 22/1/2014 - Natal. Visita de inauguração ao Complexo do Estádio Arena das Dunas 11/2/2014 - Lucas do Rio Verde. Cerimônia por ocasião da abertura oficial da colheita da safra brasileira de grãos 2013-2014 14/2/2014 - Manaus. Cerimônia de Entrega de 5.384 Unidades Habitacionais do Residencial Viver Melhor e Anúncio de Investimentos do PAC2 Mobilidade Urbana 17/2/2014 - Governador Valadares. Cerimônia de formatura de alunos do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - Pronatec. 18/2/2014 - Teresina. Cerimônia de anúncio de investimentos do PAC 2 Mobilidade Urbana 18/2/2014 - Maceió. Cerimônia de anúncio de investimentos do PAC 2 Mobilidade Urbana 20/2/2014 - Porto Alegre. Visita inaugural ao Estádio Arena Beira-Rio. 20/2/2014 - Caxias do Sul. Cerimônia de entrega de máquinas a municípios do Rio Grande do Sul. 26/2/2014 - Betim. Cerimônia de entrega de máquinas a municípios de Minas Gerais. 27/2/2014 - São Paulo. Cerimônia de formatura do Pronatec. 2015 3/2/2015. Campo Grande. Cerimônia de inauguração da primeira Casa da Mulher Brasileira 25/2/2015. Feira de Santana (BA). Cerimônia de entrega de 920 unidades habitacionais do Condomínio Solar da Princesa 3 e 4. 27/2/2015. Santa Vitória do Palmar (RS). Cerimônia de inauguração do Parque Eólico de Geribatu e do Sistema de Transmissão Associado tópicos: Dilma Rousseff

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Produtores de Vilhena, RO, investem em semeadura precoce de soja

27/02/2015 23h00 - Atualizado em 27/02/2015 23h00 Produtores de Vilhena, RO, investem em semeadura precoce de soja Técnica foi apresentada a agricultores do Cone Sul pela Embrapa. Semeadura precoce agiliza colheita dos grãos e controle da ferrugem. Jonatas Boni Do G1 RO
Para garantir uma maior produção de soja e ganhar tempo no plantio do milho safrinha, produtores do Cone Sul de Rondônia devem investir cada vez mais em cultivares precoce dos grãos. A técnica, apresentada neste mês de fevereiro pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), visa evitar grandes prejuízos com a ferrugem. Segundo o órgão, mais de 70% das lavouras já foram colhidas neste ano e a tendência é que isto se amplie em 2016, fazendo com que os pés de milho apareçam cada vez mais cedo nas propriedades. "Isso é um fenômeno bem diferente, pois, como muitos lembram, era comum estarmos colhendo soja até abril. Estamos terminando fevereiro e quase tudo já foi colhido das lavouras", afirma Vicente Godinho, pesquisador da Embrapa em Vilhena. Ainda segundo Godinho, para se chegar a esta soja precoce foram precisos cerca de sete anos de pesquisa e selecionamento dos grãos. A Embrapa Rondônia acredita que até 15 de março não seja mais encontrada soja em lavouras. Ao G1, Godinho explicou sobre as técnicas de cultivares precoce. "Nós sempre trabalhamos com os materiais precoce, médio e tardio, mas como a ferrugem veio chegando às lavouras, vimos que a melhor estratégia é a de que quanto menos tempo a soja ficar no campo, melhor é para controlar a ferrugem", esclarece. Segundo a empresa agropecuária, o tempo de aplicação do defensivo também é menor com essa técnica de plantio. Dia de Campo auxilia produtores de soja no planejamento de safra em RO Produtores antecipam colheita de soja por medo de contaminação, em RO Para não ter maiores prejuízos com ferrugem, os produtores começaram a abandonar as cultivares tardias, focando agora nas precoces. As cultivares precoces que potencializam a semeadura da safrinha foram apresentada aos produtores de grãos neste mês de fevereiro, durante o dia de campo da Embrapa. Clima propício As chuvas de 2015 foram favoráveis para o cultivo da soja na região sul de Rondônia. De acordo com a Embrapa, a produção tem sido de 54 sacas por hectare. O número é maior do que o registrado pela média nacional, de 47 sacas, conforme tabela da Companhia Nacional de Abastecimento. Para Godinho, a soja precoce deve ganhar ainda mais espaço na safra do próximo ano. tópicos: Rondônia, Vilhena

África do Sul volta a importar carne bovina desossada do Brasil

27 de Fevereiro de 2015 | atualizado em 27/02/2015 Comércio do produto estava bloqueado por causa de embargos POR ESTADÃO CONTEÚDO
O Itamaraty divulgou nesta quinta-feira (27/2) nota sobre a decisão da África do Sul de reabrir o mercado para exportações brasileiras de carne bovina desossada. O país estava fechado por embargos levantados em 2005 e em 2012 em decorrência de surto de febre aftosa e de caso atípico de encefalopatia espongiforme bovina no Brasil. "A reabertura destaca-se não apenas pelas perspectivas comerciais que representa, mas também por confirmar a eficácia dos controles sanitários nacionais e a qualidade e a sanidade do produto brasileiro, já reconhecida por outros parceiros comerciais", disse a nota do Itamaraty. Segundo o órgão, essa decisão soma-se à recente abertura do mercado sul-africano para as exportações brasileiras de carne suína para processamento.

Terceiro Pepro de borracha negociou mais de R$ 1,4 milhão em prêmios

Aconteceu Ontem (26), pela manhã, o terceiro leilão de Prêmio Equalizador Pago ao Produtor Rural (Pepro) de borracha, deste ano. Realizado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o leilão negociou o total de R$ 1,4 milhão em prêmios
Aconteceu Ontem (26), pela manhã, o terceiro leilão de Prêmio Equalizador Pago ao Produtor Rural (Pepro) de borracha, deste ano. Realizado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o leilão negociou o total de R$ 1,4 milhão em prêmios. Este é o montante total que poderá ser pago aos produtores rurais arrematantes, para a venda e o escoamento de mais de 2,9 mil toneladas de borracha natural, safra 2014/2015. A comercialização do prêmio, por estados de origem do produto e quantidade, se deu da seguinte forma: Bahia (59 t), São Paulo (1,5 mil t), Mato Grosso (450 t), Espírito Santo (75 t), Minas Gerais (150 t), Goiás (700 t). Não houve negociação em Paraná, Maranhão e Tocantins. Para ter direito à subvenção o participante deverá, obrigatoriamente, comprovar a venda e o escoamento do produto exclusivamente para usinas de beneficiamento. Este é o terceiro leilão de Pepro de borracha do ano. O anterior ocorreu no último dia 13 e comercializou um total de R$ 1,3 milhão em prêmio para a venda e escoamento de 2,5 mil t, ou 92% do total pretendido, que foi de 2,7 mil t do produto. Data de Publicação: 27/02/2015 às 20:00hs Fonte: CONAB

Setor de carnes tem maior potencial para elevar vendas do País à China, diz CEBC

O setor de carnes (bovina, frango e suínos) nacional é o que apresenta o maior potencial para estimular vendas ao mercado chinês. Segundo André Soares, executivo do Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC) e um dos autores do estudo "Oportunidades de Comércio e Investimento na China para setores Selecionados", em carne bovina, por exemplo, é possível dobrar o valor no comércio bilateral entre os países
O problema é que temos que superar a questão burocrática da habilitação de unidades aptas a exportar ao país, além de aumentar as parcerias em distribuição", disse. "Acreditamos do potencial da China em alavancar as nossas vendas, mas temos muita dificuldade de acessar esse mercado com qualidade", informou o diretor de Relações Governamentais da JBS, Wilson Mello Neto. Ele explicou que o Brasil está conseguindo acessar a China via Hong Kong, inclusive com preços menores do que a China é capaz de pagar. O diretor executivo da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), Fernando Sampaio, disse que as vendas de carne bovina à China estão interrompidas desde 2012, por conta de um caso atípico de vaca louca no País. "O embargo oficial não existe mais, mas não estamos conseguindo vender ao País. Estamos na fase da negociação de um novo protocolo/certificado sanitário para retomar exportações", afirmou. Na época do embargo, o Brasil vendia 17 mil toneladas de carne bovina ao País. Em 2014, foram 400 mil toneladas embarcadas para Hong Kong. "Tivemos uma receita cambial recorde de US$ 7,2 bilhões de vendas externas de carne bovina. Um quarto disso foi para Hong Kong", completou Sampaio. No levantamento da CEBC feito em conjunto com a Apex-Brasil, além da carne bovina, têm potencial de vendas ao mercado, a carne de frango e suína, suco de laranja e outros sucos, café, celulose, soja e calçados. "Carne suína também tem potencial grande, por conta do aumento da renda per capita do chinês. Hoje, a China importa somente 2% do que é consumido, mas que já a coloca como a maior importadora mundial da proteína", disse a gerente da Apex-Brasil, Sophia Costa. Data de Publicação: 27/02/2015 às 19:50hs Fonte: Folha Vitória

Carne de frango, leite e verduras são os primeiros produtos em falta em SC

Cerca de 12 milhões de litros de leite deixaram de ser coletados nos últimos dois dias e o prejuízo no Estado chega a R$ 1 milhão
Cerca de 12 milhões de litros de leite deixaram de ser coletados nos últimos dois dias e o prejuízo no Estado chega a R$ 1 milhão. Nesta quinta-feira, praticamente todas as indústrias de carne vão paralisar a produção. Aves já estão com alimentação reduzida e correm risco de adoecer. Na Capital, começa a faltar algumas frutas e verduras na Central de Abastecimento do Estado de Santa Catarina S/A (Ceasa). Estes são os impactos causados pela paralisação do caminhoneiros, que completou uma semana na quarta-feira. – O leite está sendo descartado, as granjas estão sem alimento e sem conseguir escoar as aves e não tem onde alojar os pintos. É muito difícil a situação. Brasília precisa atender os líderes e verificar as possibilidades. O país tem que voltar à normalidade – frisa o secretário de Agricultura do Estado, Moacir Sopelsa. Mercados com estoque até o fim de semana%3 Data de Publicação: 27/02/2015 às 19:40hs Fonte: Diário Catarinense

BALANÇO SEMANAL CNC - 23 a 27/02/2015

CNC solicita prorrogação do prazo de vigência da emergência fitossanitária e da adoção das medidas emergenciais para a broca do café em Minas Gerais
EMERGÊNCIA FITOSSANITÁRIA — O CNC, na condição de representante dos produtores de café do Brasil, encaminhou ofício, no dia 24 de fevereiro, para o secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Décio Coutinho, solicitando a prorrogação do prazo de vigência da emergência fitossanitária e da adoção das medidas emergenciais para a broca do café (Hypothenemus hampei) no Estado de Minas Gerais, conforme a Portaria Mapa nº 188, de 12 de março de 2014. Essa medida se faz necessária, pois a vigência da Portaria 188 expira no dia 13 de março e, se não prorrogada, teremos um cenário crítico para o controle da praga no próximo mês, sendo inaceitável que os produtores mineiros não possam ter acesso e aplicar produtos eficientes para o combate. Ademais, é incoerente que Minas Gerais, o maior produtor e exportador de café do Brasil, não mais tenha acesso a medidas de controle contra a broca, enquanto essa autorização acaba de ser estendida para Espírito Santo e São Paulo, também importantes Estados produtores, por meio das Portarias Mapa nº 11 e nº 12, de 23 de janeiro de 2015, as quais alertam para a situação de infestação nos cafezais do País. É válido recordar que a broca é uma das principais pragas que ocorrem no cafeeiro, cujo prejuízo maior é a depreciação do grão a ser comercializado. Para cada 5% de frutos atacados, até 1% dos grãos apresenta defeito, interferindo diretamente na qualidade da bebida e, consequentemente, no preço recebido pelos produtores. Além disso, a praga causa significativas perdas quantitativas, que, em casos graves de infestação máxima, podem atingir 12 kg em cada saca de 60 kg de café beneficiado. — Histórico: após a decisão das autoridades de Registro e Regulamentação de Agrotóxicos de proibir o uso e a comercialização do Endosulfan, consagrado e único inseticida existente para o controle dessa praga, a partir de 1º de julho de 2013, sem garantir a existência de ingredientes ativos eficientes no mercado, os cafezais ficaram vulneráveis aos efeitos da broca. Apenas em setembro de 2014 essa situação começou a ser remediada com a autorização, emergencial e temporária, para a DuPont importar o produto BeneviaTM, que possui como ingrediente ativo o Ciantraniliprole, a ser utilizado no combate à broca no Estado de Minas Gerais, de acordo com as medidas estipuladas pelas Portaria nº 188, de 12 de março de 2014, e Portaria nº 711, de 17 de julho de 2014. No entanto, a Portaria nº 188 estabelece que o prazo de vigência da emergência fitossanitária e da adoção das medidas emergenciais no combate à broca do café no Estado de Minas Gerais terminará em 13 de março de 2015. Caso não sejam tomadas rápidas providências para a publicação de um novo ato prorrogando tal prazo, o maior estado produtor de café do Brasil ficará impossibilitado de utilizar o único produto, com eficiência, existente no mercado para controlar a praga. Considerando esse cenário, o CNC reiterou, junto ao secretário Décio Coutinho, a urgência nas medidas necessárias para a publicação, antes de 13 de março de 2015, de um novo ato do Ministério da Agricultura prorrogando o prazo de vigência da emergência fitossanitária e da adoção das medidas emergenciais para a broca do café em Minas Gerais. Entendemos que, somente dessa maneira, será garantido o acesso dos cafeicultores às opções tecnológicas para o controle da praga em suas lavouras e preservado o maior parque cafeeiro do mundo. MERCADO — As cotações futuras do café acentuaram as perdas nesta semana, pressionadas pelo dólar valorizado em relação ao real e ao peso colombiano e pelas chuvas em partes das regiões produtoras brasileiras. O aumento da umidade no Sudeste do País em fevereiro, mesmo não beneficiando as regiões produtoras de café de forma homogênea e não garantindo a reversão das perdas já registradas no campo, tem estimulado a tendência de baixa no mercado futuro da commodity. Para os próximos dias, a Climatempo prevê que uma frente fria provocará chuvas sobre o estado de Minas Gerais. O acumulado das precipitações pode variar entre 70 e 150 mm. Outro fator de desvalorização das cotações é o fortalecimento do dólar ante as moedas dos principais países exportadores de café arábica, o Brasil e a Colômbia. Ontem, o dólar comercial encerrou a sessão a R$ 2,8852, com valorização de 0,2% desde a última sexta-feira e em seu maior patamar desde 15 de setembro de 2004. Diante dessa conjuntura, na Bolsa de Nova York, o vencimento maio do Contrato C foi cotado, na quinta-feira, a US$ 1,4055 por libra-peso, acumulando queda de 1.235 pontos em relação ao final da semana passada. Na ICE Futures Europe, as cotações do robusta também apresentaram tendência de baixa. Ontem, o vencimento maio/2015 encerrou o pregão a US$ 1.869 por tonelada, com perdas de US$ 105 desde o final da semana anterior. Acompanhando o cenário externo, os preços do café se desvalorizaram no mercado físico nacional, que continuou com baixa liquidez. Na quinta-feira, os indicadores calculados pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) para as variedades arábica e conilon foram cotados a R$ 430,49/saca e a R$ 291,44/saca, respectivamente, com variação de -7,1% e -4,9% no acumulado da semana. Data de Publicação: 27/02/2015 às 19:35hs Fonte: Assessoria de Comunicação CNC

IBGE: desemprego sobe 1 ponto percentual em janeiro e atinge 5,3%

A população não economicamente ativa foi estimada em 19,3 milhões de pessoas
A taxa de desocupação iniciou o ano em alta, subindo 1 ponto percentual em janeiro em relação ao mês de dezembro do ano passado, ao passar de 4,3% para 5,3%. Taxa de desocupação se refere às pessoas sem trabalho na semana da pesquisa, mas que estão em busca emprego. Os dados fazem parte da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) divulgada hoje (26/2) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Eles indicam que, quando comparado a janeiro do ano passado, a alta foi 0,5 ponto percentual. O instituto mostra que a população desocupada ficou em 1,3 milhão de pessoas, aumentando 22,5% em relação a dezembro de 2014 – o equivalente a 237 mil pessoas. Quando comparado a janeiro do ano passado, a alta foi 10,7% – 125 mil pessoas a mais. A população ocupada, em contrapartida, caiu 0,9%, ficando em 23 milhões de trabalhadores, comparativamente a dezembro, menos 220 mil pessoas, e ficou estável na comparação com janeiro de 2014. A população não economicamente ativa, ou seja, não inserida no mercado de trabalho, foi estimada em 19,3 milhões de pessoas, mantendo-se estável em relação a dezembro e crescendo 2,9% em relação a janeiro de 2014. Neste período, a população fora do mercado de trabalho aumentou em 551 mil pessoas. Data de Publicação: 27/02/2015 às 19:30hs Fonte: AGÊNCIA BRASIL

Custos e seguro agrícola são pautas da Federarroz em Brasília

Encontros na Câmara Setorial e Ministério da Agricultura reforçaram pleitos do setor Representada pelo vice-presidente de Mercado e Política Agrícola, Daire Coutinho, a Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) cumpriu agenda na capital federal nessa quarta-feira, 25 de fevereiro. Em Brasília, o dirigente participou de reunião da Câmara Setorial do Arroz e de encontro com o novo secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Luciano Carvalho. No encontro com a Câmara Setorial, foi levada a questão dos custos de produção. Coutinho apresentou o levantamento encomendado pela Federarroz para a consultoria Agrotendências, que foi divulgado durante a Abertura Oficial da Colheita do Arroz, em Tapes (RS). Informou que foi solicitado para a Companhia Nacional de Abastecimento a realização de um novo estudo de custos da lavoura de arroz. "Houve a promessa por parte da Conab de que durante o mês de março isto será feito", afirma. Também foi levada a cobrança sobre documento encaminhado ainda durante a Expointer do ano passado em relação a classificação do arroz importado de outros países. Conforme Coutinho, não há uma denominação de origem deste produto e ele vem misturado no arroz brasileiro quando levado ao consumidor. "O produtor gaúcho cumpre uma série de regras ambientais e de uso de insumos e depois vê seu produto misturado com outros produtos que não seguem as mesmas regras", salienta. O vice-presidente da Federarroz informou que uma nova reunião para tratar desta questão deverá ser realizada ainda no mês de março. Encontro no ministério Na agenda com o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Luciano Carvalho, também foi apresentado o levantamento dos custos de produção das lavouras de arroz no Rio Grande do Sul, que detem 65% da produção nacional do grão. Outra pauta foi a questão do seguro agrícola. Coutinho explica que foram pedidas alterações nas regras de contratação deste mecanismo. "Os produtores que não conseguiram contratar a tempo no ano passado tiveram que pagar o seguro integral sem a contrapartida do governo e gostaríamos que os contratos que passam a vigorar neste ano tenham a subvenção completa", ressalta. O dirigente da Federarroz reforçou também a posição da entidade em seguir uma política de diálogo com o Ministério da Agricultura nas decisões que o governo vem tomando em relação à cadeia produtiva do arroz. "O secretário se demonstrou receptivo à conversa e confirmou a intenção de que o seguro tenha uma mudança nas regras este ano", conclui. Data de Publicação: 27/02/2015 às 19:20hs Fonte: Assessoria de Comunicação da Federação das Associações dos Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz)

Café e calçados são oportunidades para pequenas empresas na China

Há potencial para que as pequenas e médias empresas dos setores de calçados e café aumentem as suas exportações para o mercado chinês. Mas para que isso vire realidade, é preciso trabalhar para diminuir as desvantagens tarifárias do Brasil
Um levantamento realizado pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e pelo Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC) mostrou que há oportunidades para o setor privado nesses setores, além de outros como soja, sucos, celulose e carnes suínas, bovinas e de frango. Segundo o autor da pesquisa e representante do CEBC, André Soares, é preciso avaliar bem os nichos de mercado em calçados e café que o empresariado nacional pode ter na China, já que, em algumas áreas, podemos ter desvantagem em relação a preços e tarifas. A pesquisa mostra que, no setor de calçados, por exemplo, a Indoné Data de Publicação: 27/02/2015 às 19:10hs Fonte: DCI

Supermercados racionam venda de alimentos

Afetados pelo bloqueio das rodovias, supermercados do oeste de Santa Catarina começaram a racionar a venda de alimentos
Afetados pelo bloqueio das rodovias, supermercados do oeste de Santa Catarina começaram a racionar a venda de alimentos. No município de Xanxerê, por exemplo, cada cliente do supermercado Badotti pode comprar, no máximo, cinco quilos de farinha, cinco quilos de açúcar, dez litros de leite e sete latas de óleo de soja. A decisão da empresa de racionar os volumes vendidos foi tomada na quarta-feira, depois que a cidade ficou sem combustível. "Se os postos tivessem racionado a venda de combustível, 20 litros por pessoa, por exemplo, não teria acontecido isso. Hoje quem precisa de combustível não encontra", diz Ruan Badotti, sócio do supermercado e conselheiro da Associação Catarinense de Supermercados. Ele, que representa os empresários do oeste catarinense espalhados por 32 municípios, diz que a prática de racionar a venda dos produtos que estão com estoques baixos foi tomada por vários supermercados da região. O oeste de Santa Catarina é uma das áreas do País mais afetadas pelo bloqueio das rodovias feito pelos caminhoneiros. Xanxerê, por exemplo, tem cerca de 45 mil habitantes, mas é um polo que abastece municípios vizinhos do oeste do Estado, atendendo a uma população muito maior, de 200 mil. Desde quinta-feira da semana passada, Badotti conta que os supermercados da cidade não recebem mercadorias. Os hortifrutigranjeiros foram os primeiros itens que acabaram. Data de Publicação: 27/02/2015 às 18:50hs Fonte: O Estado de S. Paulo

IGC prevê produção de milho e trigo menor em 2015/16

A produção mundial de milho deverá cair 5 por cento na temporada 2015/16, ante um recorde da atual temporada, enquanto a safra global de trigo vai declinar menos, previu o Conselho Internacional de Grãos (IGC, na sigla em inglês) nesta quinta-feira
O organismo intergovernamental afirmou em relatório mensal que a previsão de produção mundial de milho em 2015/16 foi fixada em 938 milhões de toneladas, ante 992 milhões na atual temporada, mas ainda assim a terceira maior safra da história. "Apesar da queda na produção (de milho), os estoques pesados do início da temporada devem garantir grandes disponibilidades globais", afirmou o IGC. "Embora uma forte demanda seja prevista, especialmente para a alimentação, os estoques finais deverão permanecer confortáveis." O IGC elevou sua estimativa para a safra de trigo deste ano em 2 milhões de toneladas para 719 milhões de toneladas, refletindo, em parte, uma revisão para cima de sua previsão para a Argentina, para 13,9 milhões de toneladas, ante de 12,5 milhões. "As perspectivas para a safra de trigo 2015/16 no mundo permanecem em sua maioria favoráveis %B%Be apenas um pequeno declínio ano-a-ano na produção está previsto", disse o IGC, que prevê uma queda de 2 por cento, para 705 milhões de toneladas, na colheita do novo ciclo. Data de Publicação: 27/02/2015 às 18:30hs Fonte: Reuters

EUA liderou ranking de importações de produtos brasileiros em janeiro

Com US$ 478,5 milhões, norte-americanos seguem como país que mais importou
Quem mais importou produtos agrupecuários brasileiros no primeiro mês de 2015 foi o Estados Unidos. Seguidos por China, Países Baixos, Indonésia e Alemanha, faturamento alcançou US$ 1,67 bilhão. Segundo dados do Sistema de Estatísticas de Comércio Exterior do Agronegócio (Agrostat) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), no total, 182 países importaram produtos do Brasil em janeiro, num valor total de US$ 5,64 bilhões, e os cinco primeiros representam mais de 29,7% da participação. Estados Unidos Os produtos florestais se destacaram no país e atingiram a cifra de US$ 131,1 milhões. No setor, a madeira foi liderou, com o montante de US$ 69,1 milhões. Depois o café, com a soma de US$ 102,2 milhões. E em terceiro, o complexo sucroalcooleiro, com importações que alcançaram US$ 74,2 milhões - álcool foi responsável por US$ 59,9 milhões. China Na China, os produtos florestais também foram os mais importados pelo país, com US$ 172,8 milhões. O destaque ficou com a celulose, que somou US$ 161,3 milhões. Em segundo lugar o açúcar, com US$ 66,9 milhões importados. O couro, produtos de couro e peleteria ocuparam a terceira posição, com o montante de US$ 52,7 milhões. Países Baixos O farelo de soja resultou em US$ 99,0 milhões para o país. Na sequência, produtos florestais, com US$ 91,2 milhões, e carnes, US$ 58,3 milhões, também se destacaram. Indonésia Quanto à Indonésia, o açúcar foi o produto mais importado do Brasil, com US$ 79,3 milhões. Em seguida cereais, farinhas e preparações, com US$ 67,5 milhões e farelo de soja, com US$ 58,9 milhões. Alemanha No país alemão, o destaque foi o café, que somou US$ 119,4 milhões, seguido pelo farelo de soja, com importações por esse país que atingiram o montante de US$ 24,9 milhões. Em terceiro lugar ficaram as carnes, que somaram US$ 15,1 milhões, sendo que US$ 9,0 milhões foram de carne de frango. Data de Publicação: 27/02/2015 às 19:00hs Fonte: GLOBO RURAL

Cresce para 25 número de navios que aguardam embarque em Santos

A maior quantidade será embarcada no Porto de Santos
O total de navios que aguardam para embarcar açúcar nos portos brasileiros aumentou de 25 para 27 na semana encerrada em 25 de fevereiro, de acordo com levantamento feito pela agência marítima Williams Brasil. O relatório considera embarcações já ancoradas, aquelas que estão ao largo esperando atracação e também as que devem chegar até o dia 25 de março. Foi agendado o carregamento de 944,56 mil toneladas de açúcar. A maior quantidade será embarcada no Porto de Santos, de onde sairão 729,31 mil toneladas, ou 77% do total. Maceió responderá por 18% (163,85 mil toneladas); Paranaguá, por 3% (29,40 mil toneladas); Recife, por 1% (12 mil toneladas); e Suape, também por 1% (10 mil toneladas). Em Santos, o terminal da Copersucar deve embarcar 29,78 mil toneladas. No da Rumo, estão agendadas 699,52 mil toneladas no período analisado. A maior quantidade a ser exportada é da variedade VHP, açúcar bruto de alta polarização, com 900,66 mil toneladas. Os embarques do B-150 somam 21,90 mil toneladas e os do cristal A-45, 22 mil toneladas. O A-45 e o B-150 são embarcados ensacados. Data de Publicação: 27/02/2015 às 18:40hs Fonte: ESTADÃO CONTEÚDO

Delegação da Arábia Saudita recebe informações da CNA sobre modelo agrícola brasileiro

Uma missão de negócios da Arábia Saudita, integrada por representantes do Governo e do setor privado, visitou nesta quinta-feira (26) a sede da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), quando foram recepcionados pelo Vice-presidente da entidade e presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Rio Grande do Sul (FARSUL), Carlos Rivaci Sperotto
Uma missão de negócios da Arábia Saudita, integrada por representantes do Governo e do setor privado, visitou nesta quinta-feira (26) a sede da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), quando foram recepcionados pelo Vice-presidente da entidade e presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Rio Grande do Sul (FARSUL), Carlos Rivaci Sperotto. Os integrantes da missão queriam informações sobre o funcionamento, amplitude e representatividade da CNA junto aos produtores agrícolas e o governo federal. Carlos Sperotto detalhou o quadro institucional e legal da CNA. Ele explicou ao grupo que a entidade é formada por 27 federações estaduais de agricultura e pecuária, uma em cada Estado da Federação, além de 1.924 sindicatos rurais que atuam nos municípios, interagindo com as entidades estaduais. O Vice-presidente da CNA explicou ainda que a CNA e as federações representam mais de cinco milhões de produtores rurais brasileiros, fortalecendo a posição do Brasil como um dos principais produtores de grãos do mundo. Modelo brasileiro - A missão da Arábia Saudita, no encontro, enfatizou o desejo daquele país de reorganizar seu setor agrícola. Nesse sentido, mostraram-se interessados em conhecer de forma detalhada o funcionamento do modelo brasileiro. Sperotto destacou também a importância de órgãos como Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR), criado na década de 1990, e do Instituto CNA, núcleo de estudos e projetos voltados para atender às necessidades específicas do produtor rural. O Vice-presidente da CNA lembrou ainda aos integrantes da missão saudita sobre a expansão da fronteira agrícola no Brasil, nas últimas décadas. “A mecanização da lavoura em nosso país começou no Rio Grande do Sul e expandiu-se até a região Centro-Oeste, a última fronteira de nossa agricultura, obtendo resultados excepcionais a partir de elevados índices de produtividade para produtos como a soja e o milho”, destacou. A Arábia Saudita é o 11º parceiro comercial do Brasil. Atualmente os dois países estão concluindo as negociações para reabrir o mercado saudita às exportações brasileiras de carne bovina. Aquele país é a porta de entrada do Oriente Médio e referência na região para as exportações do agronegócio que alcançaram US$ 2,1 bilhões, em 2014: aumento de 2,2% em comparação com o ano passado. Participaram da reunião a Superintendente de Relações Internacionais (SRI), da CNA, Alinne Betania Oliveira, Victor Ayres, assessor técnico da Comissão Nacional de Aves e Suínos, e a consultora para saúde animal e vegetal, Tânia Lyra. Data de Publicação: 27/02/2015 às 18:20hs Fonte: Assessoria de Comunicação CNA

Conab inicia a pesquisa anual dos estoques privados de arroz 27/02/2015 14:32

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) iniciou a distribuição de boletins para o levantamento dos estoques privados de arroz. Irão receber o documento armazenadores, cooperativas, associações e indústrias dos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. O preenchimento das informações terá como data base os estoques do dia 28 de fevereiro. Não deverão ser contabilizados os estoques da nova safra. A divulgação do estoque final do produto em casca e beneficiado da safra 2013/2014, segundo a Superintendência de Informação do Agronegócio, será uma importante ferramenta de informação para todos os agentes que direta ou indiretamente têm relação com a cultura do arroz. O prazo final para a resposta será o dia 18 de março, quando a Conab dará início à consolidação dos dados e aos procedimentos de validação, o que se estenderá até o mês de abril. Os boletins preenchidos poderão ser devolvidos para Companhia pelos Correios ou pelo correio eletrônico estoque-privado@conab.gov.br. Os volumes dos estoques devem ser informados, separadamente, por unidade armazenadora, cadastrada ou não, e por tipo, casca e beneficiado. Os armazenadores de arroz que não receberem o documento até 13 de março deverão entrar em contato com a Companhia pelo e-mail estoque-privado@conab.gov.br. Fonte: Só Notícias/Agronotícias

Chicago: bloqueio de caminhoneiros aumenta cotação da soja mas atrasa colheita em MT 27/02/2015 19:57

Os preços da soja registraram uma semana turbulenta tanto na Bolsa de Chicago quanto no cenário internacional e, ainda assim, o balanço semanal foi positivo para o produtor brasileiro. Na CBOT, todos os principais vencimentos terminaram o dia com as cotações superando os US$ 10,30 por bushel e o contrato maio/15, referência para a safra brasileira, registrou um ganho de 2,90%. Nos portos, os valores também se aproximaram dos melhores momentos da temporada nesta semana e trouxeram boas oportunidades de comercialização aos produtores rurais. Em Paranaguá, a alta semanal para a soja da safra nova foi de 2,26%, com o preço passando de R$ 66,50 para R$ 68,00 por saca. Em Rio Grande, o avanço foi mais tímido - de 0,44% - e a o preço passou de R$ 67,60 para R$ 67,90 para terminar os negócios desta sexta-feira (27). Entretanto, na última quinta (26), a cotação chegou a R$ 69,10 por saca. A greve dos caminhoneiros no Brasil - que paralisava, ainda no final da tarde da sexta-feira, ao menos seis estados - foi o principal fator de estímulo para as cotações em Chicago. Para Flávio França Jr., consultor da França Jr. Consultoria, o mercado precificou, claramente, a preocupação dos compradores com a interrupção de fluxo de produto no Brasil. A consequência mais forte seria, portanto, a transferência de parte da demanda que seria vista na América do Sul, especialmente no Brasil, para os Estados Unidos. E isso aconteceria em um momento em que quase 100% do total projetado pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) para ser exportado de soja na temporada 2014/15 já está comprometido - não só de soja em grão, mas também de farelo, principal subproduto na composição dos preços da commodity. Paralelamente, o mercado observava ainda a lentidão da colheita da soja no Brasil por conta do clima chuvoso, o cenário, porém, se inverteu e os trabalhos de campo deram um salto, terminando a semana com 30% da área do país já colhida, ainda segundo o consultor. No entanto, um dos principais reflexos dessa paralisação dos caminhões no Brasil é a não chegada do óleo diesel no interior do país poderia trazer, novamente, uma queda no ritmo da colheita. Segundo um levantamento da Aprosoja MT, cerca de 20% dos produtores do estado já não têm mais combustível para retomar seus trabalhos. Comercialização A recomendação de França neste momento, com picos de preços em pleno período de colheita, sejam aproveitados pelo produtor. Segundo o consultor, esse avanço das cotações reflete o quadro conturbado atual no Brasil, os ganhos em Chicago e, principalmente, a alta do dólar frente ao real que, nesta sexta, chegou a superar os R$ 2,90 ao longo dos negócios. Apesar da baixa do dia, a moeda norte-americana fechou o dia com R$ 2,8560. "O impacto nos preços no mercado doméstico aconteceu de forma generalizada, os preços subiram em geral, mas subiram, especialmente nos portos porque a soja não chega nos portos. Então, a alta está relacionada a um fator pontual (...) E para o produtor que vendeu pouco é um belo momento para aproveitar para melhorar sua média, realizando vendas positivas de preços em pleno período de colheita. A questão cambial continua central", orienta França. Fonte: Notícias Agrícolas

Laboratório de classificação de grãos entra em funcionamento em TO

27/02/15 - 15:58 Os produtores de grãos da Região de Pedro Afonso serão beneficiados com a implantação do posto de classificação de grãos de produtos vegetais (soja, milho, arroz, sorgo). A implantação da central de classificação é fruto de um termo de cooperação técnica assinado entre a Secretaria do Desenvolvimento Agricultura e Pecuária (Seagro), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e a Cooperativa Agroindustrial do Tocantins (Cooapa). O posto deve entrar em funcionamento em março e deve atender 17 municípios circunvizinhos. Segundo o técnico de classificação de produtos vegetais da Seagro, João de Deus, a região de Pedro Afonso é grande produtora de grãos. “Portanto, o laboratório irá facilitar o acesso para os produtores, garantindo o padrão oficial de qualidade dos grãos. Isso significa mais abertura para a comercialização dos produtos”, ressaltou. O presidente da Coapa, Ricardo Khouri, afirma que a implantação do laboratório é mais uma conquista para os produtores da região. “A classificação oficial dá segurança ao produtor, garante o controle da qualidade e valoriza os grãos produzidos na região de Pedro Afonso. Além de agregar valor ao produto, também vai atender as exigências do mercado”, comentou Khouri. De acordo com o superintendente da Cooapa, José Rander, os produtores de grãos poderão contar com mais este reforço para melhoria da qualidade dos produtos vegetais. “O posto será mais um instrumento para garantir, rapidez, qualidade e procedência, facilitando a comercialização. Antes teríamos que recorrer a Palmas ou Goiânia”, disse. Valorização do produto A classificação dos grãos é uma exigência da legislação brasileira que regulamenta a atividade por meio de instruções normativas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA, para que a industrialização e comercialização de produtos vegetais e seus derivados sejam realizados com qualidade e segurança alimentar dentro dos padrões oficiais. É uma atividade auxiliar ao processo de comercialização dos produtos de origem vegetal, seus subprodutos e resíduos de valor econômico, que tem por finalidade determinar a sua qualidade com base em padrões químicos e físicos. No Tocantins existem laboratórios nos municípios de Palmas, Paraíso, Gurupi e, agora será implantado em Pedro Afonso. Agrolink com informações de assessoria

Linha exclusiva de silos da Kepler Weber é destaque na Expodireto

27/02/15 - 15:51 A Kepler Weber – maior empresa brasileira do setor de armazenagem, beneficiamento e movimentação de grãos – apresenta seu portfólio de silos exclusivos na 16º edição da Expodireto Cotrijal. O evento é promovido pela Cotrijal e acontece entre 9 e 13 de março no município de Não-Me-Toque, no Rio Grande do Sul. Com um estande de 150m², a Kepler Weber estará preparada para receber clientes, prospects e formadores de opinião do segmento para expor soluções que contam com alta tecnologia, expertise e extensa tradição da companhia, avalizadas por seus 90 anos de atuação no mercado. “Os silos apresentados são produtos inovadores. Remodelados recentemente, permitem a conservação da qualidade do grão, possuem padrões construtivos que atendem à legislação vigente, garantindo maior segurança operacional”, conta Carlos Schmitt, gerente Comercial da Kepler Weber. A linha possui modelos que atendem de 24 a 156 pés de diâmetro, ampliações verticais por meio do aumento do número de anéis no corpo, otimizando o espaço físico e a resistência a ventos, suportando velocidades de até 144Km/h. O revestimento das chapas é constituído de uma liga metálica que proporciona maior vida útil do telhado e do corpo. Já os silos a partir do modelo SL -42 possuem três montantes por chapa, permitindo uma melhor configuração da distribuição das cargas, maior segurança estrutural e agilidade no recebimento e expedição. Além disso, há aumento do fluxo de carga e descarga devido ao reforço estrutural do corpo e da nova estrutura do telhado. O sistema de segurança garante que todas as escadas externas e do telhado tenham um corrimão superior, inferior e de rodapés, plataformas de descanso e cabo de vida, interno e externo. Com relação à qualidade da armazenagem, a nova distribuição de respiros permite, por meio do efeito termossifão ou efeito chaminé, um diferencial de temperatura existente entre o bolsão de ar interno e a temperatura do ar externo. Além disso, o sistema de termometria dos silos Kepler Weber possui sensores que ficam mergulhados na massa de grãos, gerando dados de medições de temperatura em diferentes níveis e posições. Adicionalmente, o sistema de aeração - que pode ser acionado automaticamente – mantém as condições ideais de temperatura e de umidade, garantindo que o produto armazenado tenha uma qualidade superior. Agrolink com informações de assessoria

Minas Gerais promove maior evento de cafeicultura irrigada do País

27/02/15 - 15:10 De 3 a 5 de março, em Araguari, no Triângulo Mineiro, será realizada a 20ª edição da Feira Nacional de Irrigação em Cafeicultura – Fenicafé, a maior feira de irrigação e tecnologia para a cadeia produtiva cafeeira. A feira reúne três grandes eventos: XX Encontro Nacional de Irrigação da Cafeicultura do Cerrado, XVIII Feira de Irrigação em Café do Brasil e o XVII Simpósio de Pesquisa em Cafeicultura Irrigada. O evento é promovido pela Associação dos Cafeicultores de Araguari - ACA e a Federação dos Cafeicultores do Cerrado, com apoio da Embrapa Café, Consórcio Pesquisa Café, Universidade de Uberaba – Uniube e Prefeitura Municipal. "A Fenicafé tem, na sua programação, o Simpósio de Pesquisa em Cafeicultura Irrigada, que apresenta os resultados de trabalhos de pesquisa com ênfase no uso correto da irrigação, proporcionando ganhos significativos em produtividade e qualidade. O evento como um todo tem grande repercussão para os seus diferentes públicos-alvo, pois trata de temas que os afetam de forma direta e imediata", diz o gerente-geral da Embrapa Café, Gabriel Bartholo. Destaques e resultados - Um dos destaques dessa edição comemorativa é o workshop internacional ‘Como o cafeicultor brasileiro pode se tornar um produtor de água?' com a palestra ‘Reservação e alocação negociadas da água para a agricultura irrigada – o caso americano', proferida por Steve Deverel, do Hydrofocus/Californonia Department of Water Resources, nos Estados Unidos. A temática da água também estará presente na palestra sobre ‘O Programa Produtor de Água no Brasil', do representante da Agência Nacional de Águas – ANA Devanir Garcia dos Santos.­ A Feira irá abordar outros temas de pesquisa, como doenças do cafeeiro, tecnologias para produção de mudas de café, segurança e proteção para o agricultor, fertilizantes, adubação, selo de origem e qualidade, cafeicultura de precisão, poda, entre outros. Referência nacional e internacional para discussão de aspectos relevantes da cafeicultura irrigada, a Fenicafé tem contribuído para a crescente adoção dessa tecnologia no Brasil. De acordo com professor da Universidade de Uberaba – Uniube, André Fernandes, em 1995, havia pouco mais de 5 mil hectares de café irrigado no País. Passados 20 anos, hoje a irrigação da área cultivado no País cresceu bastante. Agrolink com informações de assessoria

Aprosoja pede manutenção de juros e valor do PAP

27/02/15 - 15:02 A Comissão de Políticas Agrícolas pedirá ao Ministério da Agricultura que o Plano Agrícola e Pecuário (PAP) de 2015/2016 mantenha o mesmo juro para custeio da produção, hoje de 5%, assim como o valor estabelecido de recursos para safra atual, de cerca de R$ 156 bilhões. A deliberação foi tomada durante a primeira reunião deste ano, nesta quarta-feira, em Brasília, pelas entidades membro, dentre elas a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja). De acordo com o gerente de Relações Institucionais da Aprosoja, Frederico Azevedo, o PAC vigente apresentou aumento de juros em algumas linhas de crédito, como o BNDES Cerealistas, por exemplo, que dobrou de 4,5% para 9%. “Sendo assim, a gente teme que os juros do custeio subam. Hoje, já estão em 5%, queremos que pare aí, e que os recursos se mantenham no valor atual”. Outro tema importante debatido no encontro foi o Plano de Construção e Ampliação de Armazéns (PCA). O pleito das entidades é para que a mesma margem de valores de crédito seja mantida, na casa dos R$ 5 bilhões. Mas que novos critérios de aquisição sejam estabelecidos de forma a atender as necessidades específicas de cada região. “Existem estados produtores que não têm a mesma deficiência de armazenagem como Mato Grosso, mas conseguem receber mais recurso. Queremos que o crédito seja setorizado, liberado mais rápido e com menos burocracia”, acrescentou o gerente. Na manhã desta quinta-feira, a reunião em Brasília foi com a Comissão de Direito de Propriedade. Os critérios para cobrança do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR) foi um dos pontos de discussão, em virtude dos problemas que os produtores estão enfrentando em seus municípios, por adotar, cada um, sua forma de cobrança. Segundo Frederico Azevedo, o valor da terra nua, base de cálculo do ITR, aumentou e está inviabilizando algumas propriedades. “Estabelecemos a criação de um grupo de trabalho em Mato Grosso, que chamará o secretário da Receita Federal em Brasília para tentar rever a forma de cobrança”, esclareceu. Quanto à Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 215, que estabelece normas e condicionantes para demarcação de terras indígenas no país, a deliberação foi pelo desarquivamento, tendo em vista que nova legislatura entrará em vigência. “É preciso entender que essa PEC não traz apenas segurança jurídica ao produtor, de não ter sua terra, depois de anos como propriedade, retirada. Mas traz segurança jurídica também ao Estado, com o estabelecimento claro dos critérios e requisitos na lei”, ponderou o gerente. Agrolink com informações de assessoria

Ministério reconhece curso superior de Tecnologia em Produção Sucroalcooleira

27/02/15 - 16:33 Com mais esse reconhecimento, todas as graduações EaD da Universidade estão aprovadas pelo MEC O Ministério da Educação (MEC), por meio da Portaria Nº 805, de 22 de dezembro de 2014, reconheceu o curso superior de Tecnologia em Produção Sucroalcooleira (TPS) oferecido pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) na modalidade de Educação a Distância (EaD). O curso foi avaliado com conceito máximo (5) e, a partir de agora, a Universidade pode emitir os diplomas para os alunos já formados. Com o reconhecimento de TPS, todas as graduações a distância da UFSCar estão aprovadas pelo governo federal. Os resultados positivos dos processos de avaliação necessários para o reconhecimento dos cursos pelo MEC vêm confirmar a qualidade da formação que a UFSCar tem oferecido aos seus alunos na modalidade a distância. “A finalização desse processo reitera que estamos fazendo um excelente trabalho, tanto na gestão da EaD quanto na parte pedagógica”, afirma o professor Daniel Mill, Coordenador da Universidade Aberta do Brasil (UAB), na UFSCar. A professora Aline Reali, Secretária Geral de Educação a Distância da UFSCar, também comemora o reconhecimento dos cursos pelo MEC e reforça a importância desse momento para a Universidade e para os alunos. “O nosso modelo de EaD tem servido de referência para outras instituições do país e o MEC comprova que estamos mesmo no caminho certo”, afirma ela. No que se refere ao curso de Tecnologia em Produção Sucroalcooleira, que acaba de ser reconhecido, a Universidade tem obtido sucesso na formação de profissionais capazes de atuar na exploração econômica da cana-de-açúcar, visando sua aplicação no processo de fabricação de álcool, açúcar, energia e demais derivados. O profissional formado pela UFSCar pode atuar ainda no planejamento, gerenciamento, implantação e avaliação de operações comerciais, processos industriais, análises químicas, controle de qualidade e montagem de projetos agroindustriais da cana-de-açúcar. Além disso, a produção sustentável e a preservação ambiental também são consideradas nos processos formativos do curso. O próximo vestibular para os cursos de graduação a distância da UFSCar deverá ser realizado, provavelmente, no segundo semestre de 2015. Agrolink com informações de assessoria

John Deere espera aumentar em 10% volume de vendas em 2015

27/02/15 - 21:44 A John Deere, por meio da concessionária Lavoro, em Passo Fundo, no Norte do Rio Grande do Sul, espera aumentar em 10% o volume de vendas no ano de 2015. No ano passado, a empresa registrou quase 12,5 mil unidades de tratores vendidas, segundo balanço da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). Sustentado em três frentes, somado as condições climáticas favoráveis, o sócio-diretor da Lavoro, Sandro César Chioquetta, confia em um bom volume de vendas em curto prazo na Expodireto Cotrijal, realizada de 9 a 13 de março, em Não-Me-Toque, no estado gaúcho. “A Expodireto ocorre na nossa região e por isso a gente espera uma ótima feira por três fatores importantes. Primeiro, nos vamos colher uma bela safra no Rio Grande do Sul. Além disso, temos um bom preço para as commodities, em relação à média histórica. O clima também vem ocorrendo de forma satisfatória e nós ainda temos o Moderfrota, com taxas de 4,5% vigente, sendo favoráveis para a negociação”, destaca. Durante workshop realizado nesta sexta-feira (27.02), na concessionária Lavoro, a John Deere apresentou diferentes modelos de equipamentos direcionados aos pequenos, grandes e médios produtores. Os modelos destacados variavam de 55 cv a 90 cv de potência. Com a permanência das taxas de juros inalteradas até junho de 2015 para o financiamento do Programa de Modernização da Frota de Tratores Agrícolas e Implementos Associados e Colheitadeiras (Moderfrota), as boas perspectivas de vendas também foram endossadas pelo gerente de marketing de produtos da John Deere no Brasil, Romário Saraiva. “Tanto a empresa quanto o próprio produtor estão focados em fazer investimentos num prazo mais curto, em função do Moderfrota e também pela rentabilidade que o produtor está tendo nos dias de hoje”, ressalta. O Ministério da Agricultura manteve em 4,5% a.a e 6,0% a.a as taxas efetivas de juros, respectivamente, para o produtor rural cuja renda anual é de até R$ 90 milhões e ou superior a esse valor. Durante o evento, Chioquetta ainda salientou que mais de 50% das negociações na Lavoro são direcionadas para o pequeno produtor. Hoje, a concessionária atende quase 150 municípios da metade Norte do Rio Grande do Sul. Com uma área total de 450 hectares na região Noroeste do RS, o produtor de soja e milho Claiton Edu Monteiro de Aguiar esteve presente no workshop e frisou a iniciativa da empresa. “Eu estou aqui, hoje, justamente para avaliar a diferença das diversas marcas existentes para que no futuro quando for fazer uma nova aquisição, quem sabe eu possa comprar um equipamento da John Deere”, disse. Desde 1999, a John Deere realizou uma série de investimentos no Brasil, somando mais de US$ 270 milhões, somente nos últimos quatro anos. A multinacional conta com fábricas de diferentes segmentos em estados como Rio Grande do Sul, Goiás e São Paulo. Agrolink Autor: Lucas Rivas

Biogénesis Bagó ganha prêmio de "Melhor Empresa de Saúde Animal da América Latina"

27/02/15 - 17:07 A renomada revista britânica Animal Pharm escolheu a Biogénesis Bagó como a “Melhor Empresa de Saúde Animal da América Latina em 2014", por sua experiência comprovada e desempenho na América Latina, além do seu alcance e expansão na China, com a construção, ainda em andamento, de uma fábrica de vacinas contra a febre aftosa no continente asiático. Este ano aconteceu o lançamento do prêmio Animal Pharm. Diversos cases foram apresentados e avaliados por um júri, composto por 10 membros, que entregou o prêmio à Biogénesis Bagó como "Melhor Empresa de Saúde Animal da América Latina em 2014". Os jurados levaram em consideração os seguintes itens: - Biogénesis Bagó é a primeira e única empresa de biotecnologia do setor privado no mundo que atende aos padrões de qualidade exigidos para estabelecer uma fábrica de vacinas contra a febre aftosa na China. O projeto começou no final de 2013 e a expectativa é de que a fábrica comece a operar em 2016, com capacidade de produção de 400 milhões de doses por ano. - Por ocupar o terceiro lugar na categoria de animais de grande porte na América Latina. - Por seu compromisso com a qualidade, tendo os certificados GMP, ISO 9001 e 14001. - Por ser, desde 2006, fornecedor do Banco de Antígenos dos Estados Unidos, México e Canadá (NAFMDVB), produzindo mais de 200 milhões de doses de vacina contra a febre aftosa, abastecendo as campanhas de sete países com planos de vacinação. - Por sua constante inovação e desenvolvimento em vacinas e produtos farmacêuticos, auxiliando produtores e veterinários, fornecendo as melhores ferramentas para a prevenção e controle de doenças, contribuindo para alcançar os melhores resultados de produção. Agrolink com informações de assessoria

TMG está com inscrições abertas para o Programa Novos Talentos

27/02/15 - 16:40 A Tropical Melhoramento & Genética (TMG) está com as inscrições abertas para o Programa Novos Talentos. Podem participar estudantes que estão no final do curso de graduação ou profissionais recém-graduados ou recém-pós-graduados de Agronomia e Biologia de todo o Brasil. As inscrições já estão disponíveis através do site www.tmg.agr.br e seguem até 20 de abril. No momento do cadastro, o candidato deve optar pela modalidade estágio ou trainee e definir a área e período de interesse. Esta é a 6ª turma de Novos Talentos e no total já passaram mais de 200 jovens de várias universidades, de diferentes estados, desde o início do projeto em 2010. O processo de seleção é realizado em etapas: análise do currículo, avaliação do perfil do candidato, consulta aos professores como referência e entrevista individual. Os selecionados poderão atuar nas áreas de: Melhoramento Genético de Soja, Algodão e Milho; Biotecnologia e Análise de Plantas; Solos e Fertilidade; Produção de Sementes; Fitopatolologia e Herbologia; Entomologia; Nematologia; Agricultura de Precisão e Mecanização Agrícola e Desenvolvimento de Mercado. O programa oportuniza, de acordo com o Gestor de RH, Romão Viana, que o participante inicie sua carreira profissional em uma empresa ao lado de pesquisadores renomados na área de Melhoramento Genético de Plantas e outros. A trainee em Biotecnologia, Andressa Caroline Patera, de Palotina-PR, ingressou na TMG como estagiária e depois de formada passou para a outra modalidade. “Este é um desafio. Já aprendi muito aqui, recebemos treinamentos e atuamos no dia a dia da pesquisa. Como trainee a responsabilidade aumentou, mas o foco continua sendo o desenvolvimento profissional, técnico e comportamental”. Já para Henrique Romero Costa Staevie, de Londrina-PR, estagiário da área de sementes desde agosto de 2014, tudo está sendo muito produtivo. “Desde o começo o programa foi muito importante para mim. O clima organizacional é muito bom e eu sempre fui muito bem orientado. A empresa também me proporcionou contato com o público externo e isso agregou muito, tive um aprendizado sensacional e quero com certeza continuar”. Os estudantes que estão nos últimos anos do Ensino Superior podem acessar o programa de Novos Talentos na modalidade de estagiários. Já os recém-formados e/ou pós-graduados como trainees. Ambas as modalidades podem atuar no Cerrado e no Sul do Brasil, com real possibilidade de efetivação. Mais informações através do site https://unisoja.websiteseguro.com/novostalentos/inicio/tmg ou enviar e-mail para novostalentos@tmg.agr.br. Agrolink com informações de assessoria

DSV discute política fitossanitária em Câmara Setorial

27/02/15 - 14:56 Dados sobre pragas e estratégias do Departamento foram divulgados aos representantes do setor de insumos agrícolas Na Câmara Setorial de Insumos Agrícolas, que aconteceu nesta semana, o diretor do Departamento de Sanidade Vegetal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (DSV/Mapa), Luís Rangel, apresentou aos representantes do setor a palestra “Defesa Vegetal no Brasil – Construção da Política Fitossanitária”. Rangel abordou, dentre outros temas, as ameaças fitossanitárias do País e as estratégias de ação para preveni-las. Para ele, o zoneamento agrícola brasileiro precisa ser ampliado para garantir a segurança na agricultura. De acordo com levantamentos de pesquisadores, 150 pragas exóticas têm grandes possibilidades de chegar ao Brasil. Dessas, dez têm maior potencial de chegar às lavouras nacionais. Segundo Rangel, as pragas podem representar maior ou menor risco e, em função disso, os esforços do governo são direcionados à vigilância, prevenção e preparação de planos de contingência. Pragas como o Pulgão da Soja, a Necrose Letal do Milho, a Moniliase do Cacaueiro e o Acaro Chileno das fruteiras são preocupações reais da defesa vegetal no Brasil. Para o diretor, é possível medir os riscos e gerenciá-los: “Essa é a premissa que deve ser perseguida: a classificação dos riscos e a definição de planos de contingência e controle para a manutenção da fitossanidade no país. Para isso é necessária técnica, ciência e coordenação de esforços e competências.” Entre as estratégias de ação, Rangel pretende, para este ano, reestruturar o sistema de defesa e estabelecer um processo de gestão pública eficiente voltado para indicadores úteis ao agronegócio e à fitossanidade. O DSV irá propor que ferramentas de zoneamento agrícola, já trabalhadas pela Embrapa, possam ser integradas ao trabalho da Secretaria de Política Agrícola (SPA), no sentido de mapear o risco de pragas em função das condições de estabelecimento das mesmas. A ideia é sugerir que as bases de financiamento considerem fatores fitossanitários, como rotação de culturas, vazio sanitário e monitoramento de pragas, dentre outras. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Cadeias produtivas cobram ações do Governo e de parlamentares

27/02/15 - 14:45 A situação dos setores de produção animal do Rio Grande do Sul está no limite em função dos bloqueios nas rodovias do Estado. Indústrias paradas, animais em sofrimento, produtos estragando, alimentos descartados e problemas ambientais pela frente. As agroindústrias, cooperativas e produtores já contabilizam prejuízos de milhões de reais. O corte no fluxo comercial compromete, já para a próxima semana, o cumprimento de compromissos como pagamento de fornecedores, tributos e salários. Entidades representativas dos quatro principais setores de produção animal do Rio Grande do Sul – aves, suínos, pecuária de corte e de leite – se uniram para pressionar o Governo e os parlamentares gaúchos estaduais e federais para que façam cumprir as liminares de desbloqueio de rodovias já emitidas pela Justiça Federal e pela Procuradoria-Geral do Estado. Uma nota conjunta oficial foi enviada para o governador José Ivo Sartori e também aos deputados, na expectativa de uma rápida solução para o problema. “Até segunda-feira, a maioria das indústrias estará parada, caso a situação não se normalize imediatamente”, diz a nota. “Precisamos de uma posição sobre as liminares. A Justiça Federal nem aceita novos pedidos já que os anteriores ainda não foram cumpridos. Temos que, ao menos, fazer chegar ração às granjas, pois os animais estão morrendo de fome”, desabafa Rogério Kerber, do Sindicato das Indústrias de Produtos Suínos. No setor de laticínios, as indústrias deixaram de receber nos últimos dias mais de quatro milhões de litros de leite. “Além da falta do produto, já não temos mais embalagens e outros insumos necessários à produção”, lamenta Darlan Palharini, do Sindilat. Na avicultura, que embarca diariamente 2,5 mil toneladas para diversos países, os prejuízos comerciais – além dos financeiros – são muito grandes. “Estamos deixando de cumprir compromissos contratuais com nossos compradores”, afirma Santos, da Asgav. O setor de aves abate, diariamente, três milhões de cabeças. As indústrias de suínos foram as primeiras a sentir os efeitos dos bloqueios. Animais sem ração nas granjas dos integrados começam a passar fome e mortalidade já é registrada. Sem condições de irem para o abate, os suínos terão que ser sacrificados na propriedade, causando um sério problema ambiental, pois não há local para o descarte ou enterro dos animais. “Nas indústrias, faltam embalagens, condimentos e espaço no estoque para continuar as atividades”, lamenta Rogério Kerber. No segmento de carne bovina, os frigoríficos já estão praticamente parados. “Os caminhões de graxarias e couros não conseguem chegar nas plantas e, sem eles, o abate para”, explica Zilmar Moussale, diretor do Sicadergs. Além disso, cargas de carne não estão chegando às indústrias processadoras, que também já suspenderam a produção. Moussale afirma que nos próximos dias o abastecimento de carne para o consumidor gaúcho deve ficar comprometido, pois o produto que estava vindo do Paraná e do Tocantins não consegue entrar no Estado. “Apesar de serem caminhões refrigerados, já temos cargas condenadas, paradas nas rodovias.” Agrolink com informações de assessoria