sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

31/01/2014 - 18:02

31/01/2014 - 18:02 Oferta elevada pressiona grãos em Chicago Valor Econômico A previsão de oferta abundante de trigo ao redor do mundo desferiu um duro golpe nos preços do cereal neste início de 2014. Os contratos futuros de segunda posição de entrega (normalmente, os de maior liquidez) da commodity, que caíram em nove dos 12 meses de 2013, iniciaram o novo ano também no vermelho e encerrarão janeiro na menor cotação média mensal desde junho de 2010 na bolsa de Chicago, a US$ 5,8116. Cálculos do Valor Data fechados ontem indicam baixa de 8,09% ante a média de dezembro. Na comparação com janeiro de 2013, o recuo chega a 25,21%. No início do mês, o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) surpreendeu o mercado ao elevar a projeção para os estoques americanos e globais de trigo ao fim da safra 2013/14, inflados por uma produção mundial mais robusta e pelo consumo nos EUA menor que o esperado anteriormente. Conforme Glauco Monte, consultor da FCStone, a queda do milho - que concorre com o trigo no segmento de alimentação animal - ajudou a pressionar o cereal. "Até o ano passado, o trigo estava mais ou menos no mesmo preço que o milho. Agora, o milho está mais barato, o que faz a demanda para ração se voltar para esse produto", diz. A tensão com o frio nos EUA chegou a dar suporte às cotações do trigo durante parte do mês, e ainda não está totalmente descartado que as temperaturas baixas possam trazer alguns danos às lavouras do cereal de inverno no país, que sairão da dormência em abril. Das oito principais commodities agrícolas negociadas pelo Brasil no exterior e referenciadas nas bolsas de Nova York (café, açúcar, cacau, suco de laranja e algodão) e Chicago (soja, milho e trigo), o trigo é o que registrou a maior baixa em janeiro, ante dezembro. As preocupações com o clima nas regiões produtoras do Brasil também respingaram sobre a soja em Chicago, mas não o suficiente para evitar que a oleaginosa permanecesse em terreno negativo. Os preços da commodity, que haviam se recuperado em dezembro, registraram baixa de 3% em janeiro. Em relação ao mesmo mês de 2013, a queda é ainda mais expressiva, de 9,58%. No fim de 2013, alguns Estados brasileiros sofreram com a estiagem, o que fez crescer os temores com possíveis quebras. "O fato é que, mesmo com a demanda aquecida, todo mundo vê boas chances de uma supersafra na América do Sul", disse Eduardo Rodriguez, corretor do Fintec Group, na Flórida. Segundo ele, já há relatos de que a China teria cancelado compras dos EUA, em busca do produto da América do Sul, mais barato. Os analistas estão atentos aos relatórios de exportação americanos, que podem confirmar esses rumores nas próximas semanas. Diferentemente do trigo, o milho foi favorecido por previsões "altistas" do USDA, e fecha janeiro com uma perda de 0,13%. O órgão reduziu a estimativa para a produção e os estoques americanos e globais do grão ao fim de 2013/14 - na contramão do esperado pelo mercado. Apesar do recuo marginal em janeiro, em relação ao mesmo mês de 2013 o milho é o que mais rolou ladeira abaixo, dentre as oito commodities analisadas. A queda chega a 39,28%, reflexo da recomposição da oferta global, após uma sequência de quebras por problemas climáticos ao redor do mundo. Não é surpresa que o açúcar demerara também tenha ampliado as perdas em Nova York. A commodity até esboçou reação em meados do ano passado, mas a previsão de um superávit de 4,7 milhões de toneladas em 2013/14 voltou a pesar. Em janeiro, a média mensal ficou em 15,60 centavos de dólar por libra-peso, a menor desde junho de 2010. A baixa é de 5,74% ante dezembro, e de 17,25% ante janeiro de 2013. O cacau fecha o mês com perdas de 0,76%, ainda que acumule alta de 23,12% ante janeiro de 2013. Apesar da expectativa de um déficit de 70 mil toneladas da amêndoa no ciclo 2013/14, as entregas nos portos do oeste da África não diminuíram como o esperado neste início de ano. Únicos no campo positivo este mês, café arábica, suco de laranja e algodão foram favorecidos pelas preocupações em relação à oferta. A grande disponibilidade de café arábica, que corroeu os preços do grão ao longo de 2013, cedeu lugar às especulações de que os produtores do Brasil teriam diminuído os tratos culturais, o que levaria a uma colheita mais tímida. Assim, em janeiro, o café avançou 5,68%. A valorização do algodão também foi expressiva (4,08%) no mês, já que persistem as projeções de oferta apertada. Porém, a decisão da China de encerrar seu programa de estocagem deve reduzir os preços domésticos e a demanda por importações - o que pode voltar a pressionar a commodity. O suco de laranja continua apoiado nos sucessivos cortes nas previsões para a safra dos EUA. Em meio à expectativa de que a Flórida (que detém o segundo maior pomar de citros do mundo) colha o menor volume em 24 anos, a bebida encerrou o mês 1,23% acima de dezembro e 25,31% à frente de janeiro de 2013.

31/01/2014 - 17:47

31/01/2014 - 17:47 Brasil importa mais trigo dos EUA Valor Econômico Do início de janeiro até o próximo domingo, 2 de fevereiro, os portos brasileiros terão recebido 544 mil toneladas de trigo do exterior, segundo a agência marítima Williams. No período, os EUA foram os principais fornecedores, à frente de Argentina e Uruguai. Apesar da volta da Tarifa Externa Comum (TEC) de 10%, o cereal dos EUA representou 42,4% do trigo desembarcado no Brasil no período, ou 231 mil toneladas. A TEC havia sido suspensa em parte do ano passado devido à escassez do cereal no mercado interno e da quebra de safra na Argentina - tradicionalmente, maior fornecedor de cereal para o Brasil. "As importações americanas ainda foram fortes em janeiro porque a Argentina demorou para liberar as licenças de embarque. Os moinhos precisavam garantir matéria-prima", argumenta o presidente do Sindicato da Indústria do Trigo de São Paulo (Sindustrigo-SP), Christian Saigh. A americana Bunge foi a companhia que mais importou trigo dos Estados Unidos para ser entregue em janeiro. Foram 141,6 mil toneladas, do total de 231 mil toneladas trazidas dos EUA por todas as empresas. O Brasil, que é um dos maiores importadores de trigo do mundo, trouxe dos Estados Unidos em 2013 a maior parte do trigo que precisou comprar do exterior. Segundo dados da Secex/MDIC, do total de 7,2 milhões de toneladas do cereal importadas, 3,4 milhões foram de trigo americano. Para não pressionar os preços internos do trigo e de seus derivados, o governo brasileiro isentou a importação do cereal de fora do Mercosul do recolhimento da TEC, até dezembro do ano passado. Agora em janeiro, com um mês de atraso, o governo argentino liberou a exportação de 1,5 milhão de toneladas. Algumas cargas já entraram no país. Segundo a Williams, foram 137,8 mil toneladas de trigo vindas da Argentina, do total de 544 mil toneladas que desembarcaram no país de todos as origens. De cereal do Uruguai, a Williams informou que já entraram no Brasil 96,3 mil toneladas. O porto que mais recebeu trigo importado em janeiro foi o de Rio Grande (RS), com 25% do total recebido, seguido do porto de Santos (SP), com 24,6%, segundo a Williams

31/01/2014 - 17:33

31/01/2014 - 17:33 Preço ao produtor recua em janeiro, mas é superior ao de 2013 Cepea O preço do leite pago ao produtor recuou pelo terceiro mês consecutivo, pressionado pelo aumento na captação e pela demanda moderada desde o final de 2013 em praticamente todas as regiões acompanhadas pelo Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. Elevação do volume captado e desvalorização do leite são comuns nessa época do ano, período de safra e de menor consumo devido, principalmente, às férias escolares. Em janeiro, o preço bruto “nacional” (média ponderada pelo volume captado em dezembro nos estados de GO, MG, PR, RS, SC, SP e BA; valor com frete e impostos) foi de R$ 0,9951/litro, redução de 4,46% ou de 4,6 centavos por litro em relação ao mês anterior. Apesar da queda, a média atual é 7,3% superior à de janeiro/13 em termos reais (valores deflacionados pelo IPCA de dezembro/13). Por sua vez, o preço líquido médio (sem frete e impostos) pago ao produtor foi de R$ 0,9180/litro, baixa de 4,39% ou de 4,2 centavos por litro frente a dezembro/13, mas 13,2% superior a janeiro/13. Segundo pesquisadores do Cepea, a queda nos preços já era esperada por agentes e muitos chegam a comentar que há um “superabastecimento” dos laticínios. O excedente de matéria-prima estaria sendo utilizado para a fabricação de leite UHT e leite em pó em algumas regiões do País. De acordo com o Índice de Captação de Leite do Cepea (ICAP-L/Cepea), o volume captado por laticínios/cooperativas em dezembro/13 aumentou 1,53% em relação ao mês anterior e está no maior nível da série do Cepea, iniciada em 2004 (Base 100). Dentre os sete estados acompanhados, somente São Paulo teve redução, de 1,84%, pois os laticínios estavam com estoques elevados. Vale lembrar que SP teve o maior aumento na captação de outubro para novembro, 8,15%. A expectativa para o próximo mês é de queda e/ou estabilidade nos valores pagos aos produtores, segundo os laticínios/cooperativas consultados pelo Cepea. Entre os compradores entrevistados, pouco mais da metade (55,4%), que representa expressivos 74,9% do leite amostrado, acredita que haverá queda nos preços em fevereiro. Outros 41,3% dos agentes, que representam 21,7% do volume amostrado de leite neste mês, indicam estabilidade nos preços. Apenas 3,3% dos agentes têm expectativa de alta. No mercado de derivados, as cotações também recuaram. No atacado paulista, o leite UHT se desvalorizou 8,13% em relação a dezembro, com média de R$ 1,84/litro (até o dia 29/01). O queijo muçarela caiu 3,04%, negociado a R$ 11,95/kg, em média. Alguns atacadistas esperam estabilidade a partir da segunda quinzena de fevereiro. A pesquisa de derivados do Cepea é realizada diariamente com laticínios e atacadistas e tem o apoio financeiro da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e da Confederação Brasileira de Cooperativas de Laticínios (CBCL).

31/01/2014 - 17:31

31/01/2014 - 17:31 Oferta de crédito para agropecuária no sistema financeiro seguirá estável, prevê CNA De Brasília - Vinícius Tavares Foto: Reprodução Dinheiro na praça não vai faltar aos produtores rurais, diz entidade A oferta de recursos para o crédito rural tende a ser estável em 2014. A projeção é da Confederação Nacional da Agricultura (CNA) e consta do documento Balanço 2013 e Perspectivas para 2014, divulgado em dezembro. Os indicadores sobre a disponibilidade de recursos, como os depósitos à vista nos bancos, uma das fontes para o crédito rural, apresentaram crescimento nos últimos meses, indicando que não deverão faltar recursos ao setor. De acordo com a CNA, apesar de manterem os volumes, as taxas de juros de algumas linhas de crédito, caso do Programa de sustentação de Investimentos (PSI), são temas que irão exigir esforço do setor junto ao governo para que as tacas sejam mantidas nos patamares atuais, de 3,5% ao ano. Apenas 1% das embarcações usadas em pesca no mar e em rios são rastreadas via satélite Hortifrutigranjeiros é 40% mais caro em Cuiabá; falta de produção local encarece os alimentos Na avaliação da entidade, a elevação das taxas de juros exige aumento nas dotações orçamentárias. A medida é necessária pra equalizar as taxas de juros pagas pelo produtor rural, fatio que eleva os gastos do governo. Conforme o documento, a expectativa do mercado, após um período de elevação da taxa de juros básica da economia, é que o Comitê de Política Monetária (Copom), órgão do Banco Central, reduza os juros. No entanto, até março do próximo ano, a taxa Selic continuará em alta, devendo atingir o patamar de 11,75%, justamente no período de forte discussão para a elaboração do Plano Agrícola e Pecuário 2014/2015.

31/01/2014 - 17:30

31/01/2014 - 17:30 Famato e CNA não apoiam retorno de agricultores à Suiá Missú e alertam governo para evitar conflito no MA De Brasília - Vinícius Tavares Foto: José Medeiros / Fotos da Terra Entidades classificaram ato como desespero dos agricultores A Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) e a Confederação Nacional da Agricultura (CNA) afirmaram, por meio de nota, que não apoiam a invasão de terras indígenas por cidadãos brasileiros não indígenas, assim como também não apoiam a invasão de terras privadas por brasileiros indígenas. A manifestação ocorreu após notícias de que pequenos produtores estão retornando às propriedades de onde foram retirados no final de dezembro no processo de desintrusão da Terra Indígena Marãiwatsédé, conhecida como gleba Suiá Missu, localizada no município de Alto Boa Vista, na região do Araguaia, em Mato Grosso. Desintrusão da Suiá Missú completa um ano e Kátia Abreu promete reverter processo Justiça determina desocupação da Suiá-Missú e produtores pedem R$ 50 mil por hectare De acordo com a nota, Famato e CNA consideram o retorno à área como “um ato desesperado dos pequenos produtores em consequência de claros indícios de demarcação fraudulenta conduzida pela Fundação Nacional do Índio (Funai) e de processo de desintrusão mal planejado e mal executado”. Segundo as entidades, os fatos reforçam ainda mais a necessidade de rever os processos de demarcação e desintrusão de Terras Indígenas (TI´s) que estão em curso, “uma vez que não respeitam os direitos humanos e civis dos não índios envolvidos”. As entidades lembram que outro processo de desintrusão está em curso na Terra Indígena Awá, no Maranhão e alertam as autoridades que os “mesmos erros da Terra Indígena Marãiwatsédé estão sendo cometidos, pois ainda não foi apresentado um plano concreto de reassentamento dos pequenos produtores que vivem na área demarcada”. De acordo com o texto, o Poder Judiciário já solicitou informações ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) acerca do assentamento destes produtores do Maranhão, em medida que deverá servir de referencial para litígios semelhantes que estão ocorrendo em outros estados. “De nada adianta enviar forças coercitivas aos locais em conflito sem a presença do Estado para garantir o cumprimento do Artigo 4º. do Decreto No. 1775, de 8 de janeiro de 1996, que determina que ‘verificada a presença de ocupantes não índios na área sob demarcação, o órgão fundiário federal dará prioridade ao respectivo reassentamento, segundo o levantamento efetuado pelo grupo técnico, observada a legislação pertinente’”

31/01/2014 - 17:11

31/01/2014 - 17:11 Paraná faz abertura oficial da colheita de soja amanhã Agência Estado Será realizada amanhã, 01, a abertura oficial da colheita da safra 2013/14 de soja do Paraná, estimada em 90,3 milhões de toneladas no levantamento divulgado em janeiro pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A cerimônia começará às 9h30 (horário de Brasília) na fazenda Boa Sorte, no município de Quarto Centenário, no centro-oeste do Estado. Serão colhidos 10 hectares cultivados com a tecnologia Intacta, da Monsanto. Representantes da cadeia produtiva de Mato Grosso participarão do evento, entre eles o presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), Carlos Fávaro, segundo comunicado divulgado pela própria entidade.

31/01/2014 - 16:49

31/01/2014 - 16:49 SUÍNOS/CEPEA: Cotações nominais são recordes para janeiro Cepea Em termos reais (deflacionando-se pelo IPCA de dez/13), os valores médios de janeiro/14 ficam abaixo apenas dos verificados no primeiro mês de 2005. O que sustenta os preços em patamares elevados é o cenário de oferta restrita de animais para abate. Na média de jan/14 (até o dia 29), a carcaça comum suína é cotada a R$ 5,98/kg e a especial, a R$ 6,33/kg, respectivos aumentos de 2% e 4%, em relação aos preços médios de igual intervalo do ano passado. Para o suíno vivo, a média mensal (até o dia 29 de janeiro), de R$ 4,18/kg, supera em 8% a de jan/13.

31/01/2014 - 16:12

31/01/2014 - 16:12 Oferta restrita de animais para abate eleva preços na semana Cepea Segundo pesquisadores do Cepea, apesar de frigoríficos continuarem pressionando as cotações da arroba, por conta da desvalorização da carne no atacado, a oferta restrita de animais se sobressaiu, levando a novos aumentos de preços. Na quarta-feira, o Indicador do boi gordo ESALQ/BM&FBovespa (estado de São Paulo) fechou a R$ 114,55, alta de 1,42% em relação à quarta anterior. No acumulado de janeiro, no entanto, acumula baixa de 0,18%. No mercado atacadista de carne com osso, o preço da carcaça casada de boi permaneceu praticamente estável entre 22 e 29 de janeiro (leve alta de 0,1%), cotada a R$ 7,39/kg na quarta-feira. No acumulado de janeiro (até o dia 29), porém, registra desvalorização de 5%

31/01/2014 - 15:51

31/01/2014 - 15:51 Oferta elevada pressiona grãos em Chicago Valor Econômico A previsão de oferta abundante de trigo ao redor do mundo desferiu um duro golpe nos preços do cereal neste início de 2014. Os contratos futuros de segunda posição de entrega (normalmente, os de maior liquidez) da commodity, que caíram em nove dos 12 meses de 2013, iniciaram o novo ano também no vermelho e encerrarão janeiro na menor cotação média mensal desde junho de 2010 na bolsa de Chicago, a US$ 5,8116. Cálculos do Valor Data fechados ontem indicam baixa de 8,09% ante a média de dezembro. Na comparação com janeiro de 2013, o recuo chega a 25,21%. No início do mês, o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) surpreendeu o mercado ao elevar a projeção para os estoques americanos e globais de trigo ao fim da safra 2013/14, inflados por uma produção mundial mais robusta e pelo consumo nos EUA menor que o esperado anteriormente. Conforme Glauco Monte, consultor da FCStone, a queda do milho - que concorre com o trigo no segmento de alimentação animal - ajudou a pressionar o cereal. "Até o ano passado, o trigo estava mais ou menos no mesmo preço que o milho. Agora, o milho está mais barato, o que faz a demanda para ração se voltar para esse produto", diz. A tensão com o frio nos EUA chegou a dar suporte às cotações do trigo durante parte do mês, e ainda não está totalmente descartado que as temperaturas baixas possam trazer alguns danos às lavouras do cereal de inverno no país, que sairão da dormência em abril. Das oito principais commodities agrícolas negociadas pelo Brasil no exterior e referenciadas nas bolsas de Nova York (café, açúcar, cacau, suco de laranja e algodão) e Chicago (soja, milho e trigo), o trigo é o que registrou a maior baixa em janeiro, ante dezembro. As preocupações com o clima nas regiões produtoras do Brasil também respingaram sobre a soja em Chicago, mas não o suficiente para evitar que a oleaginosa permanecesse em terreno negativo. Os preços da commodity, que haviam se recuperado em dezembro, registraram baixa de 3% em janeiro. Em relação ao mesmo mês de 2013, a queda é ainda mais expressiva, de 9,58%. No fim de 2013, alguns Estados brasileiros sofreram com a estiagem, o que fez crescer os temores com possíveis quebras. "O fato é que, mesmo com a demanda aquecida, todo mundo vê boas chances de uma supersafra na América do Sul", disse Eduardo Rodriguez, corretor do Fintec Group, na Flórida. Segundo ele, já há relatos de que a China teria cancelado compras dos EUA, em busca do produto da América do Sul, mais barato. Os analistas estão atentos aos relatórios de exportação americanos, que podem confirmar esses rumores nas próximas semanas. Diferentemente do trigo, o milho foi favorecido por previsões "altistas" do USDA, e fecha janeiro com uma perda de 0,13%. O órgão reduziu a estimativa para a produção e os estoques americanos e globais do grão ao fim de 2013/14 - na contramão do esperado pelo mercado. Apesar do recuo marginal em janeiro, em relação ao mesmo mês de 2013 o milho é o que mais rolou ladeira abaixo, dentre as oito commodities analisadas. A queda chega a 39,28%, reflexo da recomposição da oferta global, após uma sequência de quebras por problemas climáticos ao redor do mundo. Não é surpresa que o açúcar demerara também tenha ampliado as perdas em Nova York. A commodity até esboçou reação em meados do ano passado, mas a previsão de um superávit de 4,7 milhões de toneladas em 2013/14 voltou a pesar. Em janeiro, a média mensal ficou em 15,60 centavos de dólar por libra-peso, a menor desde junho de 2010. A baixa é de 5,74% ante dezembro, e de 17,25% ante janeiro de 2013. O cacau fecha o mês com perdas de 0,76%, ainda que acumule alta de 23,12% ante janeiro de 2013. Apesar da expectativa de um déficit de 70 mil toneladas da amêndoa no ciclo 2013/14, as entregas nos portos do oeste da África não diminuíram como o esperado neste início de ano. Únicos no campo positivo este mês, café arábica, suco de laranja e algodão foram favorecidos pelas preocupações em relação à oferta. A grande disponibilidade de café arábica, que corroeu os preços do grão ao longo de 2013, cedeu lugar às especulações de que os produtores do Brasil teriam diminuído os tratos culturais, o que levaria a uma colheita mais tímida. Assim, em janeiro, o café avançou 5,68%. A valorização do algodão também foi expressiva (4,08%) no mês, já que persistem as projeções de oferta apertada. Porém, a decisão da China de encerrar seu programa de estocagem deve reduzir os preços domésticos e a demanda por importações - o que pode voltar a pressionar a commodity. O suco de laranja continua apoiado nos sucessivos cortes nas previsões para a safra dos EUA. Em meio à expectativa de que a Flórida (que detém o segundo maior pomar de citros do mundo) colha o menor volume em 24 anos, a bebida encerrou o mês 1,23% acima de dezembro e 25,31% à frente de janeiro de 2013.

31/01/2014 - 15:33

31/01/2014 - 15:33 Café : Consumo da bebida vai aumentar em 2014 , aponta USDA Safras & Mercado A queda na produção, que também foi prevista, poderia impulsionar o preço da variedade arábica, algo que ratificam os analistas que estimam aumentos durante essa safra. Segundo o USDA, essas serão as circunstâncias que se darão em 2014, algo que confirma o consenso do mercado levantado pelo Bloomberg ao estimar um aumento de cerca de 10% no preço da variedade arábica até o final da safra. Após o grão arábica chegar a máximos históricos em 4 de maio de 2011 - quando alcançou US$ 3,43 por libra -, os agricultores passaram a buscar aumentar a produção do grão em maiores quantidades, algo que terminou em uma situação de superprodução durante os dois anos seguintes. Por isso, o governo brasileiro decidiu reduzir as terras de colheita desse produto para impulsionar o preço, algo que parece que conseguirá se cumprirem as estimativas dos analistas pesquisados pelo Bloomberg. Eles previram que, até o final de 2014, a libra de arábica ficará acima dos US$ 1,26, enquanto fechará 2015 nos US$ 1,32, aproximadamente. Atualmente, e após subir em 3,9% até agora neste ano, se mantém em torno de US$ 1,15. As previsões coincidem com a análise técnica realizada por Joan Cabrero, analista do Ágora A.F., que avisa que “A tendência de baixa que atravessa encontrou o piso em US$ 1,05, a partir de onde tenta-se reestruturar a alta. Somente encontraria deterioração em suas possibilidades de alta se perder os suportes nos US$ 1,10?. Apesar de tudo, deve-se destacar que a alta volatilidade dos recursos agrícolas aconselha manter uma exposição reduzida ao café, já que, dessa forma, o investidor pode evitar outro susto. Trata-se se um mercado estreito para todos os públicos.

31/01/2014 - 15:13

31/01/2014 - 15:13 Nova exigência egípcia de umidade para importar trigo prejudica França Agência Estado O trigo francês pode ser bom o suficiente para uma baguete em Paris, mas já não parece ser consenso entre os fabricante do pão baladi do Cairo. A agência estatal de grãos do Egito - conhecida como Autoridade Geral de Fornecimento de Commodities ou GASC - mudou discretamente o nível de umidade admissível do trigo que importa. A GASC não fez anúncio público da mudança, mas traders familiarizados com processo de licitação do órgão apontaram que ela não aceitará umidade média acima de 13%. O trigo francês tem um teor médio de umidade de 13,5%. Uma pista sobre a mudança veio na terça-feira, quando a agência divulgou os resultados de sua mais recente licitação. Ela comprou 240 mil toneladas de trigo: 180 mil toneladas da Rússia e de 60 mil toneladas de soft vermelho de inverno dos EUA, mas nada da França. Um porta-voz da GASC não foi localizado para comentar o assunto na quinta-feira. O Egito é o maior importador mundial de trigo e faz suas compras principalmente por meio da GASC. Para a França, a decisão ameaça frustrar uma indústria que é fonte de orgulho nacional e de exportações. Agricultores franceses embarcaram para o Egito, em média, 1 milhão de toneladas de trigo por ano nos últimos cinco anos. A França é uma das grandes potências agrícolas da Europa e um guardião feroz de sua herança agrária. Uma porta-voz da Copa-Cogeca, o sindicato dos agricultores europeus, disse que a mudança do Egito é 'prejudicial para a sobrevivência de agricultores franceses'. A notícia da mudança derrubou os futuros de trigo negociados em Paris para 186 euros (US$ 254) por tonelada intraday na quinta-feira, nível mais baixo em 4 meses e meio. Mas o movimento do Egito reflete outra realidade sobre o mercado global de trigo. O excedente do cereal faz com que mesmo um país quase sem recursos, como o Egito, que tem enfrentado crise interna, pode se dar ao luxo de ser exigente. A alta umidade no trigo reduz a quantidade de farinha que pode ser moída a partir dele. E a França tem tido dificuldade de manter seus grãos secos. 'Nós tivemos muitos problemas com chuvas', disse Virginie Nicolet, porta-voz FranceAgrimer, agência agrícola do governo francês. Os preços do trigo caíram 22% em 2013, e o grão teve um dos piores desempenhos entre commodities no ano passado. A expectativa de boas colheitas em grandes produtores como Austrália, Canadá e países da antiga União Soviética foi o principal motor da liquidação. O Egito também comprou menos do que o habitual. A França teve problemas com a qualidade do trigo na safra passada e enfrentou forte concorrência de Rússia, Ucrânia e Romênia pelo lucrativo mercado do Oriente Médio e Norte da África - para onde vai cerca de 70% do trigo vendido ao exterior pela França, de acordo com o grupo de lobby francês Cereais de Exportação da França. Alguns operadores agora projetam que as exportações da França no restante da temporada podem ser prejudicadas se outros grandes importadores de trigo francês da região seguirem o exemplo do Egito. O grupo de lobby disse que pretende abordar oficialmente a decisão egípcia e está elaborando um documento descrevendo a importância do trigo francês para o suprimento do Egito. Traders disseram que o movimento abrirá espaço para o trigo dos EUA em uma época em que o Egito normalmente tem menos fornecedores do grão. Alguns portos do Mar Negro congelam durante o inverno, exigindo que compradores como o Egito garantam o abastecimento com trigo da França, Austrália e dos EUA. O trigo norte-americano tipicamente apresenta um teor de umidade de 12% ou menos. 'Os franceses normalmente seriam os mais competitivos nesta época do ano, mas o Egito os tirou da lista', disse Louise Gartner, dona da Spectrum Commodities, corretora com sede em Beavercreek, Ohio, acrescentando que a decisão pode aumentar a procura pelo cereal norte-americano. A mudança, entretanto, teve pouco impacto sobre o mercado de futuros de trigo dos EUA na quinta-feira. O contrato de trigo para entrega em março na Bolsa de Chicago subiu 2 centavos de dólar, ou 0,4%, para US$ 5,5350 por bushel, influenciado por fortes exportações relatadas pelo governo em relatório semanal e pelo sentimento que o grão ficou mais barato depois de cair para a mínima em três anos e meio na quarta-feira. Fonte: Dow Jones Newswires.

31/01/2014 - 16:30

31/01/2014 - 16:30 Produção de café arábica de Camarões cresce apesar da seca Agência Estado O volume de café arábica colhido em Camarões avançou na safra 2012/13 em relação à temporada passada, apesar do clima seco e do envelhecimento dos cafezais. 'A produção de arábica em Camarões durante a temporada 2012/13 alcançou 2.734 toneladas, ante 2.612 toneladas no ciclo anterior', disse o Conselho Interprofissional de Cacau e Café (CCIB) nesta sexta-feira. A seca registrada no ano passado limitou a produção tanto de robusta quanto de arábica em Camarões, ainda conforme o CCIB. A produção de robusta na temporada ficou em 16.175 toneladas, conforme dado do CCIB divulgado mais cedo. O governo de Camarões planeja elevar a produção anual de café para 25 mil toneladas até 2020 por meio de financiamentos e suporte técnico a produtores, mas os detalhes do programa ainda não foram divulgados. Fonte: Dow Jones Newswires.

Cerrado será mapeado por satélites a partir de 2014

Cerrado será mapeado por satélites a partir de 2014 A rápida expansão da agropecuária no cerrado será mapeada pela primeira vez . .. . .. . . As áreas de vegetação natural, de produção de grãos, de pastagens e de culturas perenes, entre outras, passarão neste ano a ser identificadas por satélites do Inpe, em um projeto que também reúne o Ministério do Meio Ambiente, a Embrapa e o Ibama. O objetivo é realizar no cerrado o mesmo monitoramento que é feito desde 2008 na Amazônia pelas mesmas instituições. O projeto, chamado TerraClass Cerrado, vai identificar o uso das terras no bioma e seus impactos. A ideia é gerar uma base de dados que permita monitoramento constante da atividade --possivelmente anuale planejamento para expansão. A iniciativa tem apoio financeiro do Banco Mundial ... Data de Publicação: 31/01/2014 às 14:45hs Fonte: Folha de S. Paulo

El Salvador: cafezais estão em fase de máxima infecção pela ferrugem

El Salvador: cafezais estão em fase de máxima infecção pela ferrugem O ataque de ferrugem nos cafezais de El Salvador está em sua fase de máxima infecção, segundo Adán Hernández, encarregado do programa de manejo integrado de pragas do café da Fundação Procafé O especialista declarou que, nesta fase, os cafezais apresentam grande parte das folhas afetadas, situação manifestada por manchas ou pústulas que se apresentam nas folhas. O ponto de máxima infecção ocorre nos meses de janeiro e fevereiro. Passada essa etapa, no resto da estação seca ocorre a fase de descenso, onde as folhas dos cafezais terminam de cair e a ferrugem não é visível. No entanto, os ataques voltam na temporada de chuvas devido aos esporos que sobrevivem nas folhas necrosadas que se encontram nos cafezais, o que dará origem a novas infecções. De acordo com Hernandéz, os produtores devem fazer a poda dos cafezais durante a fase de seca para ajudar na eliminação da ferrugem residual. "A ação inclui a eliminação de ramas e de folhas", explicou. O fungo responsável pela ferrugem não sobrevive no solo. "Então, se morrem as folhas, morre o fungo". . ... Data de Publicação: 31/01/2014 às 14:30hs Fonte: Notícias Agrícola . .. . ..

Tecnologias de irrigação permitem produção de frutas no semiárido nordestino

Tecnologias de irrigação permitem produção de frutas no semiárido nordestino Empresa produz o ano inteiro mesmo em condições menos favoráveis de clima, solo e Adaptar o solo de acordo com a produção. Esse foi o fator determinante para o resultado alcançado pela Agrícola Famosa. A empresa aplicou tecnologias avançadas de irrigação em uma região considerada desfavorável para a atividade agrícola e transformou o agronegócio na divisa dos estados do Ceará e Rio Grande do Norte. Em 2013, a produção de frutas, como melão, melancia, goiaba, maracujá, banana e mamão, gerou um faturamento de R$ 360 milhões. Considerada a maior produtora de melão do Brasil e como uma das maiores exportadoras de frutas frescas do país, a Agrícola Famosa tem em seu quadro mais de seis mil funcionários, que são responsáveis pela produção de cerca de 200 mil toneladas de frutas, distribuídas em 8 mil hectares plantados durante os doze meses do ano. A tecnologia que permite essa produção em larga escala é a irrigação por gotejamento e com fertirrigação. A técnica aplica água, gota a gota, próxima às raízes das plantas, em pequenas quantidades e com alta frequência. De acordo com informações da Secretaria Nacional de Irrigação, do Ministério da Integração Nacional, umas das principais vantagens do gotejamento é o uso associado da fertirrigação. A técnica aproveita a elevada uniformidade de aplicação de água para garantir a mesma quantidade de fertilizantes. A irrigação por gotejamento e fertirrigação é usada na produção de melão e melancia da Agrícola Famosa. Segundo Luiz Roberto Barcelos, diretor institucional da empresa, cerca de 25% da produção das duas frutas se concentra no perímetro irrigado de Tabuleiros de Russas (CE), como também a cultura de 400 hectares de bananas, onde a técnica é aplicada por causa do baixo índice pluviométrico da região. “Para a fruticultura de um modo geral, mas principalmente para o melão e melancia, as condições do semiárido brasileiro são ideais para o desenvolvimento dessas culturas. Com solos predominantemente arenosos e com água do perímetro de irrigação do Tabuleiro de Russas é possível produzir frutas de alta qualidade em termos de sabor, aparência e vida útil pós-colheita”, explica. Outra vantagem é a proximidade do Porto de Pecém que, na avaliação de Barcelos, facilita o escoamento da produção. “A viagem até o destino final, na Europa, dura pouco mais de uma semana, o que garante uma boa condição de comercialização das frutas produzidas pela Famosa”, acrescenta Barcelos. Para o secretário nacional de Irrigação, Miguel Ivan, empresas e pequenos produtores podem agregar novas técnicas para aprimorar a produção em qualquer região do Brasil, durante o ano inteiro. “O uso de tecnologias é um fator agregador para as culturas e regiões com climas desfavoráveis para determinados plantios. Assim, o agricultor pode produzir o ano inteiro, gerar estabilidade nos preços e renda na região independente das grandes variações do clima”, afirma. . ... Data de Publicação: 31/01/2014 às 14:15hs Fonte: Assessoria de Comunicação Social . . . . . . . . ... . .. ... . . . . . . . . . . . .. . . ... . . . ... . . . . . .. ... ...... .. . ..

DuPont destaca portfólio de ponta para soja e milho

DuPont destaca portfólio de ponta para soja e milho Companhia terá área demonstrativa para expor diferenciais tecnológicos do fungicida Aproach® Prima e dos inseticidas Premio® e Lannate®, insumos com desempenho expressivo na safra de A produtividade agrícola e a rentabilidade do produtor brasileiro serão os temas centrais do estande da DuPont Produtos Agrícolas na edição 2014 do Show Rural Coopavel, de 3 a 7 de fevereiro, em Cascavel (PR). A companhia focalizará no evento seu portfólio de sementes e defensivos agrícolas para as culturas de milho e soja, com destaque para o fungicida Aproach® Prima e os inseticidas Premio® e Lannate®. Os herbicidas Accent® e Classic® também estarão na linha de frente da programação técnica prevista para o estande da companhia. “Nesta edição da feira vamos reforçar o sucesso do inseticida Premio®, que em seu quinto de comercialização está consolidando uma reputação de insumo estratégico ao produtor”, ressalta Thomas Scott, gerente de marketing da DuPont para o mercado de Cereais. De acordo com a DuPont, Premio® é um produto altamente eficaz na prevenção contra as lagartas, além de seletivo aos inimigos naturais das pragas que controla. Esta característica o torna ideal para aplicação nos programas de Manejo Integrado de Pragas (MIP). “Trata-se de um inseticida usado em baixas doses, com impacto reduzido no meio ambiente e baixa toxicidade se seguidas as orientações de rótulo e bula”, assinala o executivo. Scott informa ainda que a DuPont levará ao Show Rural informações recentes sobre o desempenho superior do fungicida Aproach® Prima no controle da ferrugem da soja. Segundo o gerente, o produto registra expressiva participação de mercado na safra em andamento, a exemplo dos anos anteriores, e tem avançado representativamente nas culturas de milho e trigo. Outro foco da participação da companhia no evento é o inseticida Lannate®. Produto de grande importância da linha DuPont™, Lannate® é altamente eficaz no controle de pragas e uma ferramenta estratégica na adoção do Manejo Integrado de Pragas (MIP), “pois apresenta seletividade aos inimigos naturais dos insetos-pragas que controla e proporciona resultados favoráveis desde o pré-plantio (dessecação)”, acrescenta Scott. A tecnologia de ponta dos herbicidas Accent® e Classic® complementam o programa técnico da DuPont no Show Rural Coopavel. Accent® é o único herbicida pós-emergente do mercado a base de nicosulfuron com a tecnologia NicoDry® - formulação de grânulo dispersível em água - para a cultura do milho. Já Classic® figura entre os mais conhecidos herbicidas para controle de folhas largas na sojicultura tradicional ou transgênica – é utilizado ainda na dessecação da soja. . ... Data de Publicação: 31/01/2014 às 13:45hs Fonte: Assessoria de Imprensa

Oficinas tecnológicas fortalecem o empreendedorismo rural

Oficinas tecnológicas fortalecem o empreendedorismo rural Soluções para fortalecer as propriedades rurais dos mais variados segmentos são apresentadas pelo Sebrae/SC, de forma simultânea, nesta semana, em três pontos estratégicos do Centro de Treinamento e Difusão de Tecnologias Soluções para fortalecer as propriedades rurais dos mais variados segmentos são apresentadas pelo Sebrae/SC, de forma simultânea, nesta semana, em três pontos estratégicos do Centro de Treinamento e Difusão de Tecnologias, em Pinhalzinho, onde acontece até este sábado (1º de fevereiro), a 16ª edição do Itaipu Rural Show. Entre as ações em destaque realizadas pelo Sebrae/SC no evento está a clínica tecnológica sobre o Encadeamento produtivo – projeto realizado em parceria com a Coopercentral Aurora Alimentos, visando a capacitação das empresas fornecedoras de suínos, aves e leite. Trata-se de uma estratégia para elevar a produtividade e a competitividade das pequenas empresas e inseri-las na cadeia de valor de grandes empresas nacionais e transnacionais. “O Sebrae/SC é parceiro do sistema cooperativo liderado pela Aurora e deverá realizar mais de 2.000 atendimentos, com consultorias e informações específicas de cada área demandada”, destacou o diretor técnico do Sebrae/SC, Anacleto Angelo Ortigara. As clínicas tecnológicas sobre Encadeamento produtivo são ministradas pelos consultores credenciados ao Sebrae/SC, Beatriz Silveira, Luiz Carlos Brasil e Rosane Haselstron de Souza. Além desse projeto, também são abordados temas como apicultura, melhoria de processo produtivo, vitivinicultura, melhoria do processo produtivo de erva-mate, gestão da propriedade, sustentabilidade e qualidade. GESTÃO TECNOLÓGICA – APICULTURA Apresentar ao produtor o manejo correto de colméias, seguindo o calendário anual e mostrar que a atividade pode ser rentável na pequena propriedade, utilizando técnicas de manejo recomendadas e material padronizado. Este é o principal objetivo das clínicas tecnológicas de Apicultura ministradas durante os quatro dias de Itaipu Rural Show pelo consultor credenciado Sebrae/SC, Neuri Riboli. “A intenção é que o apicultor tenha um suporte que possibilite identificar as tarefas a realizar em cada mês, já que as colônias de abelhas têm um ciclo anual de evolução em direta relação com as floradas as quais aportam mel e pólen”. VITIVINICULTURA Segundo o consultor credenciado ao Sebrae/SC, Gilson Panceri Junior, as clínicas tecnológicas sobre Vitivinicultura possibilitam aos participantes conhecer um panorama sobre a produção de vinho artesanal e técnicas para manter suas características, porém com melhorias do processo para que alcance os padrões do Ministério da Agricultura. Santa Catarina conta com cerca de 4 mil famílias que têm sua renda oriunda da produção de vinho artesanal. Somente na região oeste, cerca de três milhões de quilos de uva são adquiridos do Rio Grande do Sul e de Tangará (meio oeste) para produção deste produto. O Sebrae/SC atende três grupos (Pinhalzinho, Xanxerê e Quilombo), proporcionando consultorias desde a implantação do parreiral até os procedimentos para adequação à legislação. ERVA-MATE As clínicas tecnológicas sobre Erva-mate, ministradas pelo consultor credenciado ao Sebrae/SC, Antonio Zanovelo, têm por objetivo demonstrar a importância econômica, social e ambiental da cultura da erva-mate, além de abordar aspectos sobre a correta produção e cultivo. Entre os tópicos abordados estão a escolha de sementes e mudas, preparo do solo e implantação do erval, tratos culturais e condução, pragas e doenças, colheita e processamento, rendimento, perspectiva para o futuro, benefícios/saúde e subprodutos. GESTÃO DA PROPRIEDADE Conduzidas pelo consultor Milton Cesar Tortora, as clínicas tecnológicas sobre Gestão da propriedade visam possibilitar aos produtores rurais a compreensão de como se faz o gerenciamento por meio da organização de dados da empresa rural, compreensão e utilização de indicadores para tomada de decisão e elaboração de um plano estratégico. Os principais temas abordados são custos, balanço patrimonial, negócio, missão, valores, visão de futuro, processos, clientes, finanças, pessoas, planilhas, entre outros. SUSTENTABILIDADE Abordar o consumo consciente, sustentável e a hierarquia dos três “Rs” (Reduzir, reutilizar e reciclar), bem como explicar a padronização das cores para a separação do lixo é o foco das oficinas sobre Sustentabilidade ministradas pelo consultor credenciado ao Sebrae/SC, Airton Ramthum. “Nossa intenção é conscientizar que o desenvolvimento sustentável atende às necessidades do produtor rural sem comprometer a possibilidade de as futuras gerações atenderem as suas próprias necessidades”, destacou o consultor. PRATICANDO A QUALIDADE As clínicas Praticando a qualidade envolvem vários temas e são conduzidos pelos consultores credenciados Karla Szymanski, Ervino Voigt e Ivan Brustolin. Uma das abordagens é o “Programa De Olho na Qualidade Rural” que contempla competências para que o empresário valorize ainda mais a importância das relações com o mercado e com o meio ambiente, atuando no combate aos desperdícios, otimização de recursos e melhoria do bem-estar físico, mental e social de todos. O segundo tema é o “Programa QT Rural”, que foi preparado especialmente para proporcionar aos empresários do campo condições de desenvolver competências cognitivas, atitudinais e operacionais para aperfeiçoar sua atuação na condução dos negócios rurais, com uma perspectiva clara e realista de chances de sucesso. O último assunto inclui as Características do comportamento empreendedor, discutindo a busca de oportunidades e iniciativa, exigência de qualidade e eficiência, riscos calculados, comprometimento, estabelecimento de metas, entre outros. A clínica contempla, ainda, a abordagem sobre crédito rural. OUTROS ATENDIMENTOS A programação do Sebrae no Itaipu Rural Show contempla ainda palestras vinculadas ao empreendedorismo rural, acesso ao crédito, sustentabilidade e gestão de resíduos sólidos, consultoria para microempreendedores individuais, representantes de microempresas ou potenciais empresários e atendimento canvas, que proporciona uma visão geral do modelo de negócios. Além disso, o Sebrae/SC apoia 40 caravanas técnicas da área de abrangência da coordenadoria regional oeste da entidade, que contempla 54 municípios. “A parceria do sistema Sebrae com o Itaipu Rural Show é histórica e tem por objetivo auxiliar na melhoria da gestão das empresas rurais”, realça Parmeggiani. O atendimento é realizado das 8 às 18 horas nos três estandes da entidade. ITAIPU RURAL SHOW Neste ano, o Itaipu Rural Show aborda o tema “Gestão da Propriedade: É hora de entrar em campo”. A organização tem por meta receber 60 mil produtores rurais de pequeno e médio porte, empresários do setor agrícola, técnicos e dirigentes vindos de todo país. A iniciativa é da Cooperativa Regional Itaipu com patrocínio da Sicoob Creditaipu; Ceraçá; Nutron; Prefeitura de Pinhalzinho; Sebrae; Funturismo; Turismo Sustentável & Infância; Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca; Governo do Estado Santa Catarina; Governo Federal; Epagri e Senar. . ... Data de Publicação: 31/01/2014 às 13:30hs Fonte: MB Comunicação Empresarial/Organizacional . . . . . . . . . .. . ..

Exposições movimentam a temporada do cavalo Mangalarga

Exposições movimentam a temporada do cavalo Mangalarga Calendário da raça será aberto, nos dias 8 e 9 de março, com o julgamento da Exposição de Umuarama (PR) A temporada que está começando promete ser muito movimentada para a comunidade mangalarguista. Afinal, com 34 mostras já agendadas, o circuito de exposições da raça irá levar toda beleza e funcionalidade do cavalo Mangalarga ao público das cinco regiões do país. Segundo o calendário divulgado pela Associação Brasileira de Criadores de Cavalos da Raça Mangalarga (ABCCRM), o estado de São Paulo, principal centro de criação da raça, receberá 16 exposições este ano. As mostras, entretanto, também acontecerão no Distrito Federal (1) e nos estados da Bahia (5), Paraná (4), Goiás (4), Rio Grande do Sul (2), Pará (1) e Minas Gerais (1). A primeira mostra da raça na temporada 2014 está agendada para acontecer no estado do Paraná. Trata-se da Exposição Mangalarga de Umuarama, cujo julgamento está marcado para ocorrer nos dias 8 e 9 de março. Ainda no mesmo mês, o circuito de exposições passará pelas cidades de São Paulo (SP) e Vitória da Conquista (BA). Na capital paulista, entre os dias 21 e 23 de março, acontecerá a aguardada Exposição Mangalarga do Parque da Água Branca, responsável por oferecer um agradável momento de confraternização para os criadores paulistanos, assim como uma oportunidade especial para a divulgação da raça na maior cidade do país. Já a Expo Conquista apresentará ao público baiano as qualidades que fizeram o Mangalarga ser nacionalmente conhecido como o Cavalo de Sela Brasileiro. Por sua vez, a mais importante mostra da raça, a Exposição Nacional do Cavalo Mangalarga, está marcada para ocorrer de 18 a 27 de setembro. A sede será novamente o Parque Fernando Costa, no município paulista de Franca, que recebeu com grande êxito as duas edições anteriores do evento. Confira a seguir a relação de exposições da raça. A ABCCRM esclarece, entretanto, que algumas datas ainda estão sujeitas a alterações. Exposição de Umuarama/PR – 08 e 09 de março Exposição da Água Branca (São Paulo/SP) – 21 a 23 de março Exposição de Vitória da Conquista/BA – 21 a 30 de março Exposição de Londrina/PR – 03 a 07 de abril Exposição de Bragança Paulista/SP – 12 e 13 de abril Exposição de Itapetininga/SP – 18 a 21 de abril Exposição de Anápolis/GO – 25 a 27 de abril (Data sujeita a alteração) Exposição de Lençóis Paulista/SP – 01 a 04 de maio Exposição de Maringá/PR – 09 a 11 de maio Exposição de Atibaia/SP – 09 a 11 de maio Exposição de Itapetinga/BA – 13 a 18 de maio Fenasul Esteio/RS – 16 a 18 de maio (Data sujeita a alteração) Exposição de Guaratinguetá/SP – 16 a 18 de maio Exposição de Jequié/BA – 23 a 25 de maio (Data sujeita a alteração) Exposição de Franca/SP – 30 e 31 de maio Exposição de Mococa/SP – 05 a 07 de junho Exposição de Taubaté/SP – 06 e 07 de junho Exposição de Ponta Grossa/PR – 12 a 15 de junho Exposição de Ourinhos/SP – 13 a 14 de junho (Data sujeita a alteração) Exposição de Palmeiras de Goiás/GO – 18 a 21 de junho (Data sujeita a alteração) Exposição de Guaxupé/MG – 04 a 06 de julho Exposição de São João da Boa Vista/SP – 10 a 12 de julho Exposição de Araçatuba/SP –11 a 13 de julho Exposição de Brasília/DF – 25 a 27 de julho Expo Pelagem Preta (Itu/SP) – 08 a 10 de agosto Exposição de Jaú/SP – 15 a 17 de agosto Exposição de Luziânia/GO – 15 a 17 de agosto Expointer Esteio/RS – 22 a 31 de agosto (Data sujeita a alteração) Exposição de Feira de Santana/BA – 05 a 07 de setembro (Data sujeita a alteração) Exposição de Castanhal/PA – 11 de setembro XXXVI Exposição Nacional (Franca/SP) – 18 a 27 de setembro Exposição de Lins/SP – 10 a 12 de outubro (Data sujeita a alteração) Exposição de Goiânia/GO – 17 e 18 de outubro Fenagro Salvador/BA – 03 a 05 de dezembro Mais informações sobre o calendário de exposições da raça Mangalarga podem ser obtidas no portal www.cavalomangalarga.com.br ou pelo telefone (11) 3866-9866. ... Data de Publicação: 31/01/2014 às 13:15hs Fonte: Assessor de Imprensa . . . . . . . . . ... . .. ... . . . .. . . .. ....

MS: Coamo inaugura primeira unidade em Dourados

MS: Coamo inaugura primeira unidade em Dourados 31/01/14 - 12:40 A Coamo Agroindustrial Cooperativa vai inaugurar na próxima segunda-feira (03.01) a primeira unidade em Dourados, no Mato Grosso do Sul. O evento acontece às 17h na sede do entreposto localizado na Perimetral Norte, próximo ao trevo da BR-163 com a BR-376. O investimento em Dourados é de R$ 13 milhões no complexo que compreende armazenagem de soja e milho, venda de insumos e máquinas. Só a obra gerou em torno de 160 empregos. Na primeira fase de operação a empresa terá em torno de 40 funcionários. Conforme a capacidade for aumentada crescerá o número de empregos. A capacidade de armazenamento após a primeira fase será de 42 mil toneladas (700 mil sacas). Mas, a capacidade projetada para o futuro é de 120 mil toneladas (2 milhões de sacas). Já na fase inicial será um dos maiores armazéns do Estado. O gerente do entreposto de Dourados, Fernando Borba, destaca que a Coamo em Dourados já conta com 60 cooperados e um total de 27 mil em todas as 63 cidades nos estados do Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul. Ele lembra que a cooperativa vem recebendo cereais desde junho, no caso o milho safrinha, além de fornecer insumos e prestar assistência técnica. “Para fazer parte, basta o produtor vir até nossas instalações que providenciamos o cadastro para torná-lo um cooperado”, disse Fernando Borba. Coamo A cooperativa foi fundada em 28 de novembro de 1970, em Campo Mourão, Centro-Oeste do Paraná, e teve o nome de ‘Cooperativa Agropecuária Mourãoense Ltda’. Em 1972, já tinha seu armazém próprio. Em 1974, foi aprovada a construção dos primeiros entrepostos, em Engenheiro Beltrão e Mamborê. No final do ano de 1974, o presidente Fioravante João Ferri morreu e o vice-presidente, Gelindo Stefanuto, administrou a cooperativa até o término do mandato. Em janeiro de 1975, por meio de Assembleia Geral, os cooperados elegeram o engenheiro agrônomo, José Aroldo Gallassini, presidente da Coamo. Entusiasta pelo movimento, o idealizador e presidente da Coamo acredita que está no cooperativismo a solução para os problemas e também para o desenvolvimento da agricultura, motivados pela organização, união e participação dos cooperados. Em 1975, a Coamo instalou a sua Fazenda Experimental, a loja de peças e implantou o seu moinho de trigo, primeira indústria na história da Coamo. Porém, foi a partir dos anos 80 que o setor agroindustrial registrou grande impulso com o surgimento de outras indústrias, como as de óleo de soja e fiação de algodão. Em 2000, foi inaugurada a fábrica de margarina. Com o passar dos anos, a Coamo e seus cooperados cresceram e se desenvolveram. Após mais de quatro décadas da sua fundação, os volumes de recebimento da Coamo vêm aumentando ano após ano, perfazendo cerca de 3,5% de toda a produção nacional de grãos e fibras e 17% da safra paranaense. Entre os produtos produzidos pela Coamo no varejo estão: Margarinas Coamo Família, Coamo Extra Cremosa e Coamo Light; Creme vegetal primê; Óleo de soja Coamo; Café Coamo torrado e moído, café Sollus torrado e moído, ambos em embalagens almofada e a vácuo; café Coamo Premium apenas torrado e torrado e moído a vácuo; Farinhas de trigo Coamo e Anniela. O Progresso

MT: Colheita de soja em Mato Grosso supera 10% da área

MT: Colheita de soja em Mato Grosso supera 10% da área 31/01/14 - 15:39 A colheita de soja 2013/14 em Mato Grosso, o maior produtor brasileiro da commodity, avançou na última semana para 10,6 por cento da área recorde de 8,3 milhões de hectares, informou nesta sexta-feira o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea). Os trabalhos de colheita avançaram quase cinco pontos percentuais em relação ao índice registrado na semana passada, mas ainda continuam ligeiramente atrás do total colhido no mesmo período do ano passado (11,4 por cento), segundo o instituto ligado aos produtores. Considerando o total colhido, é possível dizer que os produtores colheram pouco mais de 2,5 milhões de toneladas de soja, de uma safra recorde esperada em 25,7 milhões de toneladas, considerando uma produtividade média de mais de 51 sacas por hectare. Neste início de colheita, produtores estão relatando altas produtividades no Estado. O bom resultado das lavouras de soja de Mato Grosso deve garantir uma produção recorde acima de 90 milhões de toneladas ao Brasil nesta safra 2013/14, apesar de problemas pontuais em algumas outras regiões produtoras do país, apontam as avaliações preliminares da expedição técnica Rally da Safra, que percorre áreas agrícolas do país e é acompanhada pela Reuters nesta semana. No segundo produtor de soja do país, o Paraná, as previsões também apontam para uma colheita recorde. A safra de soja paranaense foi estimada em 16,48 milhões de toneladas na quinta-feira pelo governo do Estado. Mato Grosso e Paraná respondem por mais de 40 por cento da safra brasileira de soja. Reuters

Defensivos contra Helicoverpa Armigera liberados em Santa Catarina

Defensivos contra Helicoverpa Armigera liberados em Santa Catarina 31/01/14 - 14:53 A Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Santa Catarina (Fetaesc) divulgou uma lista de agroquímicos liberados em SC para o controle da Helicoverpa Armigera. A recomendação é de que o agricultor, tão logo encontre a praga em sua propriedade, notifique a Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de SC (Cidasc). O obetivo é que os técnicos possam instalar armadilhas e monitorar a área atingida. Em Santa Catarina 18 cidades já detectaram a praga, mas ainda não tem dados dos prejuízos causados nas plantações, o que impede o decreto de emergência fitossanitária. Confira os produtos liberados em SC para Helicoverpa Armigera: Controle biológico: 05 produtos, ou seja, 01 isca feromônio, 01 vírus interespecífico, e 03 contendo bacillus thurigensis; Piretróides: 05 produtos de contato e ingestão; Espinosinas: 01 não sistêmico e seletivo aos inimigos naturais; Diacilhidrazina: 01acelerador de ecdise e seletivo benéficos; Antranilamida: 01 de contato e ingestão. Espinosinas* – produtos Tracer e Entrust; Bloqueadores de Na* (clofenapyr) – produtos Pirate, Sunfire; Benzonilureiras* – produto Atabron; Diaminas – produtos Belt e Premio; Benzoilureira* – produtos Match EC, Curyon e Game; Diacilhidrazinas* – produto Intrepid e Carbamatos (metomil) – produtos Bazuka, Lannate, Brilhante BR e Rotashock. *Produtos sugeridos pela EMBRAPA, no manual de “Ações Emergenciais Propostas para o Manejo Integrado de Helicoverpa spp. em Áreas Agrícolas”, cadastrados no Estado para a cultura do milho, feijão, soja e trigo, sem especificidade do alvo biológico Helicoverpa spp. Agrolink Autor: Leonardo Gottems

Anglo American aumenta produção de fertilizantes fosfatados no Brasil

Anglo American aumenta produção de fertilizantes fosfatados no Brasil 31/01/14 - 14:34 A Anglo American produziu 299.000 toneladas de fertilizantes nos últimos três meses de 2013, um aumento de 2% em relação ao ano anterior, e 1.199.000 toneladas no total anual. A empresa multinacional do setor de mineração credita o resultado aos processos de melhoria contínua implementados nas etapas de acidulação e granulação. Em relação aos outros produtos disponíveis no portfólio da companhia, durante o quarto trimestre do ano passado, o ácido fosfórico totalizou 78.000 toneladas e o fosfato bicálcico - DCP (insumo para ração animal) 38.700 toneladas. A companhia também informou a produção de concentrado* (rocha moída com alto teor de pentóxido de fósforo - P2O5), que chegou a 353.400 toneladas. *Insumo utilizado internamente na produção tanto dos fertilizantes (de alta e baixa concentração) quanto do DCP. Agrolink Autor: Leonardo Gottems

Queda acentuada no preço do leite para produtor

Queda acentuada no preço do leite para produtor 31/01/14 - 14:16 A oferta excessiva de leite no mercado catarinense mantém, pelo quinto mês sucessivo, os preços em baixa para os produtores e para as indústrias. Essa redução não está beneficiando os consumidores porque os supermercados ainda mantêm elevados os preços finais de varejo. A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de SC (FAESC) informou hoje que os valores de referência dessa matéria-prima, projetados para este mês de janeiro pelo Conselho Paritário Produtor/Indústria de Leite do Estado (Conseleite), reduziram 3,7%. No mês de dezembro essa redução foi de 6,4% e, nos últimos 150 dias, foi de quase 20%. Essa acelerada retração revela que os preços estão recuando e retirando a lucratividade do setor, alerta o vice-presidente do Conseleite e da FAESC, Nelton Rogério de Souza. Ele lamenta que o consumidor final não está sendo beneficiado: “Mais uma vez o produtor rural perde, a indústria de laticínios também perde e o varejo continua ganhando, quando poderia baixar o preço final e incrementar as vendas”. A queda do preço em Santa Catarina é decorrência do aumento da oferta de leite no mercado nacional pelos produtores do centro-oeste brasileiro, especialmente Minas Gerais e Goiás. A FAESC está preocupada com a desproteção dos produtores rurais porque, nessas condições de mercado em queda, as indústrias reduzem os valores pagos aos criadores para fechar suas contas, mas o produtor rural fica sem mecanismos de compensação. “Os custos de produção não recuaram, a inflação continua corroendo as margens de lucratividade e, para piorar, a produtividade está caindo em razão do verão e a queda de qualidade das pastagens”, relata Nelton. Em algumas regiões catarinenses essa diminuição é de 20%. Quem sai ganhando são os supermercadistas, pois o preço final ao consumidor não baixou na mesma proporção. De acordo com projeção do Conseleite, os valores de referência baixam 3,7%, neste mês de janeiro, para o leite-padrão (R$ 0,7420 o litro), para o leite de qualidade acima do padrão (R$ 0,8533) e para o leite abaixo do padrão (R$ 0,6745). Na segunda quinzena de fevereiro de 2014, o Conselho volta a se reunir para anunciar os números definitivos de janeiro e a nova projeção mensal. Embora tenha esses valores como referência negocial, o mercado – como de praxe – está praticando preços levemente superiores, mas também em movimento de queda. Santa Catarina é o quinto produtor nacional, o Estado gera 2,7 bilhões de litros/ano. Praticamente, todos os estabelecimentos agropecuários produzem leite, o que gera renda mensal às famílias rurais e contribui para o controle do êxodo rural. O oeste catarinense responde por 73,8% da produção. Os 80.000 produtores de leite (dos quais, 60.000 são produtores comerciais) geram 7,4 milhões de litros/dia. Agrolink com informações de assessoria

SP: Expedição técnico-científica é criada para fazer levantamento

SP: Expedição técnico-científica é criada para fazer levantamento 31/01/14 - 14:10 Equipes da Secretaria e do Ministério da Agricultura percorrerão, em fevereiro, todas as regiões do estado para coleta de amostras Com o objetivo de realizar um estudo que estabeleça diretrizes de defesa sanitária vegetal para prevenção, contenção e controle da Helicoverpa armigera, o Grupo Técnico (GT) da Secretaria de Agricultura do Estado de São Paulo se reuniu, em 22 de janeiro, para discutir os resultados oficiais – negativos, até o momento - assim como os próximos passos em relação à lagarta. Em novembro de 2013, espécimes (lagartas e adultos) foram coletados por fiscais estaduais da Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA), e federais do Ministério da Agricultura (MAPA), Superintendência de São Paulo, nos municípios de Avaré, Botucatu, Itapeva e Capão Bonito, locais com o maior número de relatos de indícios de ocorrência da praga. As amostras foram analisadas pelo Instituto Biológico, único laboratório credenciado pelo MAPA no estado para diagnóstico fitossanitário. Fora essas amostras, o IB não recebeu nenhuma outra para análise por suspeita da Helicoverpa armigera. O GT ressalta que o fato da espécie H. armigera não ter sido detectada oficialmente, não significa que a praga não esteja presente no estado. Por este motivo, dá prosseguimento à suas ações e inicia uma expedição técnico-científica, que será realizada durante o mês de fevereiro, com abrangência em todo o território paulista. O objetivo do trabalho é a continuidade do levantamento, do monitoramento georreferenciado, da avaliação de danos e do posicionamento fitossanitário legal em relação à lagarta Helicoverpa. A ‘expedição’ será composta por representantes do MAPA/SP e da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, órgãos com atribuição de defesa agropecuária no estado de São Paulo. Com essas ações o GT espera orientar, conscientizar e tranquilizar o segmento produtivo e principalmente motivar o produtor rural a participar do processo de defesa agropecuária. Informações com tecnologia QR Code Em setembro do ano passado, o workshop “Ameaças fitossanitárias: construção de uma política de combate à Helicoverpa armigera e outras pragas exóticas para o estado de São Paulo”, promovido pelo Grupo de Trabalho da Secretaria, reuniu 300 pessoas em Campinas. Foram debatidos o histórico da praga, identificação, distribuição geográfica, manejo integrado, monitoramento e inspeção. No evento foi lançado um material gráfico com as principais pragas exóticas potenciais e seus riscos ao agronegócio paulista e brasileiro, com a tecnologia do QR code. O dispositivo permite o acesse ao material, pelo celular, desde que tenha instalado o aplicativo, que é gratuito, e que haja acesso à internet. Ao posicionar o leitor diante do código, o usuário é remetido a um site (poster01.defesaagropecuaria.com), com informações sobre as pragas exóticas que entraram no Brasil desde 1901, e que atacam a agricultura. Há também as pragas quarentenárias, para as quais existem normativas oficiais, e as que nunca foram identificadas em nosso território. Ao alcance da mão, a tecnologia permite a visualização de fotos em alta definição, para facilitar a identificação, com nome científico, morfologia da praga, histórico de ocorrência no Brasil, bioecologia, danos, métodos de controle, e indicação de plantas hospedeiras. Secretaria de Agricultura - SP

Rondônia poderá ter ano recorde nas exportações

Rondônia poderá ter ano recorde nas exportações 31/01/14 - 12:29 O Governo de Rondônia, por intermédio da Coordenação Internacional (Cointer) da Secretaria de Agricultura, Pecuária, Desenvolvimento e Regularização Fundiária (Seagri) vem intensificando as ações para incrementar a participação de Rondônia no mercado internacional por meio do desenvolvimento e capacitação do setor produtivo. De acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior, do Ministério Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, foram exportados pelo Estado um montante de US$ 956.043.973 durante o ano de 2013. Para 2014, a expectativa é que esse valor seja superado pela balança comercial. Para isso o Departamento da Área Internacional está encarregado da missão de fomentar a cultura exportadora no Estado através da assessoria aos setores produtivos como agricultura, comércio e indústria, atuando na capacitação da classe empresarial. Atualmente o trabalho é voltado para a sensibilização da cultura exportadora, na ação das instituições que promovem o comércio exterior no Estado. Trabalho este que requer a parceria de importantes órgãos como Banco do Brasil, Banco da Amazônia (Basa), Caixa Econômica, Fiero/CIN, Sebrae, Ministério das Relações Exteriores e Correios, além da fundamental participação das associações comerciais e cooperativas. A sensibilização da cultura exportadora promove a capacitação da classe empresarial nos trâmites aduaneiros e o conhecimento das ferramentas que cada instituição disponibiliza para o mercado. O Estado de Rondônia é representado na balança comercial por três potenciais produtos despontando em primeiro no ranking de comercialização com 105.744.262 quilos de carne de bovino desossada congelada, com valor estimado em US$474 milhões; a soja seria a maior exportação do Estado em volume e a segunda em comercialização com 548.427.236 quilos e valor estimado em US$288 milhões. O terceiro, com 1.487.781 quilos, é o minério de estanho não ligado, em forma bruta. Produto utilizado na produção de latinhas de refrigerante. A comercialização destes produtos oportuniza a abertura para outros como café, leite e peixe, produtos que se sobressaem também como pauta participativa na balança comercial. Rondônia, de acordo com a coordenadora da Cointer, Ivanilda Frazão, possui potencial econômico distribuído em todo o seu território. “O que precisa é fomentar a cadeia produtiva dos seus potenciais”, afirma. Os maiores mercados consumidores são a China e os países da Europa por onde os produtos rondonienses entram pelo Porto de Roterdã, na Holanda. Porto de Porto Velho Visto como ponto positivo em aspecto de comércio, a localização geográfica do Estado favorece ainda uma maior integração com os países vizinhos. “Temos muita oportunidade de expansão de nossos produtos e ai se inclui a água mineral, ração animal, arroz e milho, todos os produtos oriundos do cone sul”, informa Ivanilda. Recentemente, um importante passo para o segmento foi a participação de Rondônia na Feira Internacional da Amazônia (Fiam), em que foram evidenciadas as potencialidades do Estado perante a comunidade internacional. “As possibilidades são promissoras, recebemos visitas de investidores da Espanha, Estados Unidos, Itália, Colômbia, Venezuela e Peru interessados em vir conhecer o Estado”, ressalta a Coordenadora do Cointer. Alguns empresários já enviaram propostas com foco em exportar leite e o peixe. “Estes são os mais promissores em uma visão mercadológica, devido à qualidade dos produtos, principalmente o peixe. Em razão disso, é preciso investir no processamento desses produtos”, destaca Ivanilda. Para interessados em alçar voos mais altos, a Cointer dispõe de assessoria internacional e os empresários devem ter como requisitos primordiais o conhecimento básico de importação e exportação e estarem enquadrados legalmente junto aos órgãos anuentes de comércio exterior. Gazeta Central

Ministério repasse R$ 10 milhões a produtores por meio do PAA

Ministério repasse R$ 10 milhões a produtores por meio do PAA 31/01/2014 14:39 O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) repassou em janeiro quase R$ 10 milhões a agricultores familiares que forneceram produtos para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). Cerca de 5 mil famílias que forneceram alimentos ao programa pela modalidade de Compra com Doação Simultânea já estão sacando os recursos referentes à venda da sua produção no período de 17 de dezembro a 17 de janeiro. Desde junho de 2013, quando o governo passou a fazer os pagamentos diretamente aos agricultores, o PAA já repassou mais de R$ 50 milhões às famílias. O pagamento direto às famílias foi uma das principais mudanças implementadas em 2013 no PAA. Os produtores recebem os pagamentos mensalmente e sacam os recursos por meio de cartão magnético individual e específico do programa. O cartão também pode ser utilizado para pagamentos em débito automático. De acordo com as regras da modalidade de Compra com Doação Simultânea, cada produtor pode vender para o programa até R$ 5,5 mil por ano. Além da agilidade no repasse dos recursos, o novo modelo de operação do PAA substituiu os antigos convênios por termos de adesão de estados e municípios. A mudança trouxe uma série de mecanismos de controle que garantem maior segurança na operacionalização, além de facilitar o acompanhamento dos pagamentos aos produtores. “O novo modelo do programa permite maior transparência e melhor fiscalização, ao mesmo tempo que torna mais ágil o pagamento do agricultor familiar”, destaca o secretário nacional de Segurança Alimentar e Nutricional do MDS, Arnoldo de Campos. Os alimentos comercializados nesta modalidade são destinados a famílias em situação de insegurança alimentar e nutricional, além de entidades da rede socioassistencial e instituições públicas ou filantrópicas de ensino. Em 2012, 185 mil agricultores familiares de todo país forneceram alimentos para o PAA, que foram distribuídos a 23,8 mil entidades. Fonte: Assessoria

Ferramenta garante recorde de certificações de imóveis rurais

Ferramenta garante recorde de certificações de imóveis rurais 31/01/2014 14:17 Pouco mais de dois meses após a entrada em vigor do Sistema de Gestão Fundiária (Sigef), o número de certificações de imóveis rurais realizadas pelo Incra bate recordes. Por meio da nova ferramenta, disponibilizada em 25 de novembro do ano passado, já foi possível certificar 6,2 mil imóveis, equivalente a mais de 5,9 milhões de hectares (dados do início da tarde de 29/01). Com isso, a média diária de documentos emitidos foi quase duplicada, saltando de 85 imóveis certificados para 165 ao dia após a entrada do sistema no ar. Apenas nesta terça-feira (28), foi alcançada a marca histórica de 330 parcelas certificadas. Em número de imóveis, o resultado alcançado neste intervalo representa 24,5% do total de certificações realizadas em todo o ano de 2013, quando 25.424 propriedades tiveram a garantia de não se sobreporem a outras áreas e de que o georreferenciamento atendeu as especificações técnicas legais, requisitos necessários para o registro dos imóveis nos casos de compra, venda, desmembramento ou partilha. Já as emissões no período significam, em área, cerca de 20% do total do ano passado, quando 29,3 milhões de hectares foram certificados. A evolução do processo de certificação de imóveis rurais realizado pela autarquia por meio do Sigef pode ser acompanhada online. As estatísticas disponibilizadas permitem verificar, por exemplo, que Mato Grosso, Goiás, Tocantins e São Paulo são os campeões em número de imóveis certificados. Juntos, detêm 47% do total (2,9 mil imóveis). Em área, Pará, Mato Grosso e Tocantins estão à frente, com 37% do total de hectares certificados (2,2 milhões de hectares). O incremento ocorreu porque o serviço passou a ser realizado de forma automatizada pelo Sigef, concomitantemente à certificação de imóveis realizada pelas superintendências regionais. O próprio sistema analisa sobreposições, gera plantas e memoriais descritivos (documentos com todos os detalhes) dos imóveis e, quando não há pendências em relação à propriedade, a certificação é emitida online. A atuação dos servidores do Incra no processo fica restrita aos casos de desmembramentos, remembramentos, sobreposição de áreas, ou àqueles imóveis relacionados a auditorias e fiscalizações. De acordo com dados da Coordenação de Cartografia do Incra, desde 2004 (quando a autarquia iniciou a prestação deste serviço) foram certificados 75,4 mil imóveis rurais, totalizando 151,1 milhões de hectares. Prioridades A comparação anual também não deixa dúvidas quanto à eficácia das ações priorizadas pelo Incra no âmbito da governança fundiária. As 25.424 propriedades certificadas em 2013 representaram crescimento de mais de 163% em relação ao ano anterior, quando o serviço havia alcançado 9.636 imóveis particulares em todo o País, ou 23,6 milhões de hectares. A integração das bases de dados fundiários regionais em uma única, nacional, a simplificação do processo a partir da mudança de normativos, além da parceria firmada com o Exército para a realização dos trabalhos foram os principais fatores que impulsionaram a certificação. As medidas fizeram com que na metade de 2013 a autarquia já tivesse conseguido igualar o número de propriedades certificadas ao resultado obtido em todo o ano de 2012. O presidente do Incra, Carlos Guedes de Guedes, reitera que, em 2014, a direção da autarquia continuará empreendendo esforços para qualificar as ações referentes à governança fundiária, seja aprimorando processos internos, seja por meio de parcerias com instituições estratégicas. “A meta é otimizar as nossas ações a fim de que possamos garantir segurança jurídica a milhares de proprietários. Desta forma, poderão produzir com tranquilidade, contribuindo para o desenvolvimento do meio rural brasileiro”, afirma Guedes. A ampliação do conhecimento sobre a malha fundiária brasileira também permite orientar outras ações da autarquia, como a obtenção de terras a serem destinadas à reforma agrária, além do reconhecimento de direitos de comunidades quilombolas. Fonte: Assessoria

Regiões produtoras de algodão em MT tem acesso a sistema para pragas

Regiões produtoras de algodão em MT tem acesso a sistema para pragas 31/01/2014 13:59 Desde a safra passada (2012/13), os cotonicultores de Mato Grosso contam com uma ferramenta inovadora no combate a algumas lagartas incluídas entre as principais pragas das lavouras de algodão, como Helicoverpa spp. e Chrysodeixis includens, mais conhecida como lagarta-falsa-medideira. Trata-se do Sistema de Alerta de Pragas Emergentes (SAP-e), uma iniciativa do Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt) concretizada graças a um financiamento do Instituto Brasileiro do Algodão (IBA), com o objetivo de validar um sistema de alerta aos cotonicultores sobre a incidência de mariposas-praga que transitam no sistema de produção de grãos e fibra de Mato Grosso. Na safra 2012/13, as armadilhas (do tipo luminosa e Delta) do SAP-e foram instaladas em seis fazendas produtoras de algodão nas regiões Sul (Rondonópolis e Serra da Petrovina), Centro (Campo Verde) e Centro Leste (Primavera do Leste). Após a fase inicial de validação, o SAP-e está implantado agora em todas as regiões produtoras de algodão do estado, com a realização de monitoramento em 36 fazendas na safra 2013/14. "As informações de captura de mariposas de lepidópteros-praga pelas armadilhas resultam em uma previsão de possíveis infestações ou surtos dessas pragas nas lavouras em uma determinada região, favorecendo a elaboração de estratégias de manejo a serem adotadas pelos produtores", explica o pesquisador Miguel Soria, entomologista do (IMAmt). Segundo o idealizador do projeto, as informações levantadas a partir do SAP-e poderão ainda ser utilizadas para confirmação da eficácia das tecnologias Bt cultivadas na região, uma vez que a captura de mariposas apresenta correlação com a incidência de posturas (ovos) e lagartas nas lavouras. O monitoramento da safra 2013/14 começou em meados de dezembro passado e os primeiros resultados serão informados aos produtores associados à Ampa (Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão), por meio de um informativo periódico, que trará dados atualizados de captura das espécies monitoradas nas armadilhas, com breves comentários sobre os níveis de captura e recomendações de manejo. "Essas informações não substituem de maneira alguma o monitoramento in loco das populações de pragas nos algodoais ou em qualquer outra cultura sujeita à infestação cultivada no período de abrangência dos monitoramentos", ressalta o pesquisador Miguel Soria. O primeiro número do Informativo, que começa a ser divulgado esta semana, alerta para a grande quantidade de mariposas da lagarta-falsa-medideira capturada nas 736 armadilhas monitoradas, em todos os núcleos de produção de algodão - bem superior à quantidade de mariposas de complexo de Heliothinae ou heliotíneos (composto por Helicoverpa armigera, Helicoverpa zea e Heliothis virescens) e do complexo de Spodoptera. O informativo 001 também traz dados detalhados sobre a captura de mariposas por região. Somente no Núcleo Regional Centro (com sede em Campo Verde), foram capturadas 5.968 mariposas da falsa-medideira no período de 19 a 25 deste mês, enquanto a quantidade de indivíduos do gênero Helicoverpa não passou de 758. "A captura de mariposas de falsa-medideira nas cinco semanas iniciais de monitoramento (de 22 de dezembro de 2013 a 25 de janeiro de 2014) evidencia a predominância dessa espécie em relação às outras, confirmando o observado nas infestações de campo em soja, no final de 2013 e início de 2014. De maneira geral, em todos os núcleos do estado, há um aumento gradativo de captura de mariposas de falsa-medideira, sugerindo possíveis infestações nas lavouras de algodoeiro agora em cultivo, uma vez que nesse momento a soja entra em fase de maturação e/ou já está sendo colhida, perdendo a preferência das pragas monitoradas, que agora se dispersam", informa o SAP-e no seu Informativo 001. "Um dos objetivos do IMAmt é justamente reduzir os custos de produção dos cotonicultores, o que inclui o uso mais eficiente dos produtos agroquímicos e a adoção de ferramentas do Manejo Integrado de Pragas (MIP), possível somente através do monitoramento", afirma o diretor executivo Alvaro Salles, ressaltando a importância de projeto de prevenção como o SAP-e e o ineditismo da iniciativa do IMAmt, braço tecnológico da Ampa. Fonte: Só Notícias/Agronotícias com assessoria

Frete deve ter reajuste médio de 14% neste ano

Frete deve ter reajuste médio de 14% neste ano 31/01/2014 13:46 As empresas de transporte deverão reajustar o frete de cargas fracionadas em aproximadamente 14% neste ano. Segundo o Departamento de Custos Operacionais, Estudos Técnicos e Econômicos da Associação Nacional do Transporte de Carga e Logística (NTC&Logística) aponta que somente os custos operacionais do setor tiveram alta acumulada de 7,85% nos últimos 12 meses. Além disso, o frete, segundo a entidade, está defasado em 5,87%. O número correspondente à diferença entre o frete praticado e o custo necessário para remunerar a atividade decorre do fato de as empresas terem tido dificuldade em renegociar contratos com clientes em 2013 devido à diminuição no ritmo da atividade econômica. Conforme a NTC&Logística, o principal vilão no aumento das despesas foi o óleo diesel, que acumulou alta de 17,2% no ano passado. Outros insumos que impactaram foram salários de motoristas e ajudantes, que elevaram aproximadamente 10% e pneus, que ficaram 12,7% mais caros. Outro agravante para o setor são os gargalos da infraestrutura, que reduzem a produtividade. Entre as dificuldades apontadas pelos empresários estão as restrições à circulação em centros urbanos; barreiras fiscais; ineficiência nos terminais dos embarcadores; escassez de mão de obra qualificada; e rodovias mal conservadas. Fonte: Assessoria

Soja opera de lado em Chicago nesta 6ª

Soja opera de lado em Chicago nesta 6ª 31/01/2014 13:18 Depois de registrar importantes altas nesta quinta-feira (30), o mercado internacional da soja opera da lado na Bolsa de Chicago nesta sexta-feira (31). As movimentações são pouco expressivas. A falta de soja nos Estados Unidos e as exportações que acontecem em um ritmo muito forte confirmam a firmeza da demanda aquecida e ainda dão suporte aos preços da oleaginosa. Os estoques norte-americanos são ajustados, já há mais de 42,5 milhões de toneladas comprometidas enquanto a projeção do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) era de 40,69 milhões de toneladas e os embarques já ultrapassam as 30 milhões. Por outro lado, há expectativas de uma safra recorde na América do Sul e uma pressão sazonal sobre as cotações com a chegada dessa nova oferta. Entretanto, como explicou Vlamir Brandalizze, consultor da Brandalizze Consulting, já começam a ser relatadas menores produtividades no Brasil por conta do clima quente e seco. “A alta temperatura está fazendo com que as lavouras tardias percam flores, tem lavouras perdendo folhas... E isso provavelmente vai trazer impacto para a produtividade”. Brandalizze afirma que, no Paraná, as lavouras precoces já mostram produtividade abaixo do esperado. “Esse crescimento da safra do Mato Grosso talvez não compense todos esses problemas que estão ocorrendo hoje... Não estamos mais vendo uma safra de 90 milhões de toneladas, estamos mais para o lado de 88 milhões de toneladas, que já é uma grande safra”. Fonte: Notícias Agrícolas

Prazo da Contribuição Sindical de pessoa jurídica termina hoje

Prazo da Contribuição Sindical de pessoa jurídica termina hoje 31/01/2014 11:20 Termina hoje o prazo para o produtor rural, pessoa jurídica, recolher a Contribuição Sindical Rural, exercício 2014. A contribuição é um tributo obrigatório, previsto na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), regulamentada pelo Decreto nº 1.166/1971. São considerados pessoa jurídica os produtores rurais que possuem imóvel rural ou empreendem, a qualquer título, atividade econômica rural, enquadrados como "empresários" ou "empregadores rurais". A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) enviou a guia bancária ao produtor já preenchida com o valor da contribuição em 2014. Até a data do vencimento, o pagamento pode ser feito em qualquer agência bancária. Caso o produtor não tenha recebido este documento, pode entrar em contato com o sindicato rural de sua região ou acessar o serviço de 2ª Via de Contribuição Sindical Rural do Canal do Produtor. Fonte: Assessoria

Exportações das trading companies cresceram 4,9% em 2013

Exportações das trading companies cresceram 4,9% em 2013 31/01/2014 10:59 A participação das empresas do tipo nas exportações brasileiras aumentou em 2013, sendo o setor responsável por 9,8% das vendas totais país ao exterior (US$ 242,179 bilhões), superando o percentual de 2012, de 9,3%. O valor destas transações cresceu 4,9%, passando de US$ 22,563 bilhões, em 2012, para US$ 23,658 bilhões, em 2013. Em relação às importações do segmento de empresas, houve retração de 11% no comparativo. As compras, no ano passado, foram de US$ 4,417 bilhões, enquanto que, em 2012, haviam sido de US$ 4,961 bilhões. A participação sobre o total das aquisições nacionais (US$ 239,621 bilhões) foi reduzido para 1,8%, já que, em 2012, havia sido de 2,2%. A corrente de comércio do setor totalizou US$ 28,075 bilhões, com crescimento de 2% sobre o valor aferido em 2012 (US$ 27,524 bilhões). O superávit das empresas trading companies também se expandiu, em 9,3%, passando de US$ 17,602 bilhões para US$ 19,241 bilhões. Mercados- O principal mercado de destino das exportações brasileiras do segmento, em 2013, foi a China, com vendas de US$ 9,864 bilhões, representando 41,7% do total exportado. Na sequência, apareceram: Japão (US$ 2,179 nilhões, participação de 9,2%), Países Baixos (US$ 1,331 bilhão, 5,6%), Coreia do Sul (US$ 1,269 bilhão, 5,4%), e Alemanha (US$ 983,9 milhões, 4,2%). A China foi também o principal mercado fornecedor das empresas trading companies brasileiras no ano, com transações de US$ 955,1 milhões, valor equivalente a 21,6% das compras totais. Na segunda posição está a Argentina (US$ 791,6 milhões, participação de 17,9%), seguida por Estados Unidos (US$ 548,7 milhões, 12,4%), México (US$ 376,6 milhões, 8,5%), e Reino Unido (US$ 326,4 milhões). Produtos- As exportações de produtos básicos responderam por 89% do valor exportado por essa categoria de empresas. Nesta pauta, destacaram-se: minério de ferro (US$ 15,008 bilhões, participação de 63,4% do total exportado), soja em grão (US$ 3,588 bilhões, 15,2%), milho em grão (US$ 1,383 bilhão, 5,8%), farelo de soja (US$ 665,6 milhões, 2,8%), e carne de frango (US$ 174,4 milhões, 0,7%). No conjunto dos industrializados (11%), os principais produtos vendidos, em 2013, foram: suco de laranja congelado (US$ 642,6 milhões, 2,7%), açúcar em bruto (US$ 495,8 milhões, 2,1%), café solúvel (US$ 190,4 milhões, 0,8%), suco de laranja não congelado (US$ 178,9 milhões, 0,8%), e açúcar refinado (US$ 82,5 milhões, 0,3%). Na pauta de importação das trading companies, os bens industrializados representaram 97,1% e os produtos básicos corresponderam 2,9%. Os bens mais adquiridos pelo setor no período foram: automóveis de passageiros (US$ 1,593 bilhão, participação de 36,1% do total importado), aparelhos transmissores e receptores de telefonia celular (US$ 302,2 milhões, 6,8%), aviões (US$ 183,5 milhões, 4,2%), pneumáticos (US$ 176,5 milhões, 4,0%), e máquinas automáticas para processamento de dados (US$ 148,8 milhões, 3,4%). Trading companies- As vendas ao exterior por intermédio das empresas trading companies são classificadas como exportações indiretas e são equiparadas às exportações diretas no aspecto fiscal. Elas apresentam vantagens, principalmente, para o pequeno e médio produtor nacional que não dispõem de uma estrutura própria dedicada às operações de comércio exterior. Fonte: Assessoria

Novo chefe da Embrapa Arroz e Feijão tomará posse mês que vem

Novo chefe da Embrapa Arroz e Feijão tomará posse mês que vem 31/01/2014 10:45 O pesquisador Flávio Breseghello toma posse oficialmente como chefe-geral da Embrapa Arroz e Feijão no próximo dia 6 de fevereiro. A solenidade será realizada às 10h, na sede da unidade de pesquisa, em Santo Antônio de Goiás (GO), e marcará o início da nova gestão, com a apresentação da proposta orientadora de trabalho para o período 2014-2016. Flávio Breseghello, 45 anos, é engenheiro agrônomo graduado pela Universidade Federal de Goiás (1991), mestre em Agronomia por essa mesma instituição e PhD em Genética e Melhoramento de Plantas pela Universidade de Cornell, EUA (2005). Ele integra o corpo técnico da Embrapa Arroz e Feijão desde 1994 e estava atuando como membro do Grupo de Pesquisa e Transferência de Tecnologia em Melhoramento de Arroz. Junto com Flávio Breseghello, assumem os cargos de chefes-adjuntos o pesquisador Paulo Augusto Vianna Barroso (área de Pesquisa, Inovação e Desenvolvimento), o pesquisador Alcido Elenor Wander (área de Transferência de Tecnologia e Comunicação) e a analista Renata Bueno Miranda Junqueira (área de Administração). A Embrapa Arroz e Feijão é uma das 47 Unidades da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e conta em seu quadro funcional com 63 pesquisadores, 45 analistas e 201 assistentes. Sua missão é “viabilizar soluções de pesquisa, desenvolvimento e inovação para a sustentabilidade das cadeias produtivas do arroz e do feijão em benefício da sociedade brasileira”. Para tanto, a Embrapa Arroz e Feijão estabelece uma série de parcerias, dentro e fora do país, para a realização de atividades de pesquisa, desenvolvimento, inovação, ensino e extensão rural. Esse trabalho colaborativo é empreendido com os setores público e privado, através de projetos, programas governamentais ou com instituições que possuam missão convergente com a da Unidade. Além disso, para atender às demandas regionais do Estado de Goiás, a Embrapa Arroz e Feijão abriga profissionais de outros centros de pesquisa da Empresa e que desenvolvem atividades com as culturas do algodão, soja, milho e sorgo, bem como em pecuária de corte e de leite. Fonte: Só Notícias/Agronotícias com assessoria

31/01/2014 - 14:33

31/01/2014 - 14:33 Unaí vai sediar encontro regional da agricultura mineira Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais O município de Unaí, Noroeste de Minas, vai sediar um dos encontros regionais programados pela Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), com o objetivo de construir uma agenda estratégica, que irá nortear as políticas públicas do setor até 2030. O encontro no muncípio está previsto para a segunda quinzena de fevereiro. Serão sete encontros pelo Estado. Segundo o secretário Zé Silva, estes encontros são fundamentais porque servirão de plataforma para o debate sobre o desenvolvimento da agricultura e pecuária em Minas Gerais e no país. “Iremos ouvir os diferentes setores, pois queremos que essas ações sejam integradas e que o processo seja uma construção coletiva”, afirma. Zé Silva informa que, após ouvir os representantes dos diversos segmentos, será elaborado um documento final que vai contar com a colaboração de especialistas e pessoas renomadas do agronegócio mineiro e nacional, como o ex-ministro da Agricultura Alysson Paulinelli; o Presidente da Embrapa, Maurício Lopes; o pesquisador da Embrapa, Paulo Martins; o especialista em políticas públicas, Sérgio Paganini e o sociólogo Rudá Ricci. O secretário Zé Silva também já anúnciou outras etapas dos eventos regionais em Montes Claros (Norte de Minas), Uberaba (Tirângulo Mineiro) e Alfenas (Sul do estado). Produção de grãos A região do Noroeste de Minas foi a maior produtora de grãos do Estado no ano de 2013. A posição foi garantida após uma safra 2,9 milhões de toneladas. A quantidade corresponde a 23,8% da colheita estadual. O município de Unaí manteve a liderança na produção de grãos entre os municípios de Minas. No ano passado, foram colhidas 836,7 mil toneladas.

31/01/2014 - 14:12

31/01/2014 - 14:12 Produtores de café conilon do ES têm expectativa de uma boa colheita Globo Rural Produtores de café conilon do Espírito Santo estão intensificando os tratos culturais na expectativa de uma boa colheita. Nem a chuvarada que atingiu a região, em dezembro, tirou o ânimo dos agricultores. Em uma fazenda em Rio Bananal, norte do estado, os funcionários agilizam a adubação da lavoura de café. Os nutrientes são fundamentais para a formação dos frutos nesta fase final de enchimento dos grãos. Uma característica comum no norte do Espírito Santo é o calor. Agora no verão normalmente os dias ficam mais quentes, a temperatura chega aos 33ºC, o que exige do agricultor um outro cuidado: a irrigação. Na fazenda de Tobias Gerlim, a lavoura é molhada durante o dia e também à noite. No Espírito Santo, a safra do café deve chegar a 12 milhões de sacas, 75% desse total é de café conilon. Rio Bananal é um dos maiores produtores de conilon do Espírito Santo com 500 mil sacas por ano. A cidade foi uma das mais castigadas pela chuva do fim do ano passado, mas de acordo com o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural, o Incaper, a estimativa para a próxima safra não é de queda. “Na média geral, a gente estima que as lavouras terão ganho em produtividade aqui em Rio Bananal”, explica Clebson Pautz, técnico agrícola do Incaper. Gilberto de Matos está otimista e espera uma colheita 20% maior que no ano passado. “A minha perspectiva é que vou colher em torno de 80 ou 90 sacas por hectare”, diz.

31/01/2014 - 13:53

31/01/2014 - 13:53 IGP-M cede em janeiro auxiliado pelos preços agrícolas Valor Econômico O fim do efeito dos reajustes de combustíveis concedidos em novembro e um comportamento mais favorável das matérias-primas agrícolas levaram a inflação de janeiro a um patamar mais comportado, que deve ser mantido no começo de ano, com uma pressão menor por parte dos alimentos. A avaliação é de Salomão Quadros, superintendente-adjunto de inflação do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV). Calculado pela FGV, o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) cedeu de 0,60% em dezembro para 0,48% no primeiro mês do ano, pouco abaixo das expectativas do mercado. O resultado foi influenciado principalmente pelo Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) agrícola, que saiu de aumento de 0,75% na medição passada para deflação de 0,89% na atual. Incluindo-se os produtos industriais, o IPA total - que representa 60% do indicador geral - reduziu sua alta de 0,63% para 0,31% na passagem mensal. Ao recuarem de 2,61% para 1,32% entre dezembro e janeiro, os combustíveis no atacado ajudaram a conter o IGP-M, mas a maior contribuição partiu das matérias-primas brutas agropecuárias. Este subgrupo, que havia avançado 1,42% em dezembro passado, caiu 0,64% em janeiro, variação que teve impacto negativo de 0,49 ponto percentual no IPA. Segundo Quadros, o recuo nas cotações de soja explicou boa parte desse movimento: a commodity caiu 5,38%, após ter subido 2,20%. Para Quadros, o cenário parece tranquilo para a produção de grãos neste início de ano, com perspectivas de boas safras domésticas e também internacionais. "A contribuição desinflacionária das matérias-primas agrícolas é uma boa notícia e muito importante para se desenhar o cenário de inflação para este ano, depois de um período conturbado com dois anos de inflação de alimentos muito pressionada no varejo", disse o economista. Ele também observou que outros produtos agropecuários estão em desaceleração no atacado, como aves (1,64% para 0,24%), leite in natura (-2,87% para -6,84%), milho (5,93% para 3,27%) e laranja (11,20% para 4,16%). Já o trigo diminuiu sua retração de 8,96% para 2,95%, entrando no seu terceiro mês seguido de deflação. Como explicação para o forte alívio dos alimentos ao produtor não ter chegado em igual intensidade no varejo, Quadros mencionou que a soja, que representa mais de um terço das matérias-primas agropecuárias, tem influência imediata pequena sobre a alimentação ao consumidor. Excluindo-se este grão, o economista calculou que a inflação das matérias-primas agropecuárias foi de 0,88% em janeiro, variação que considerou como o início de um processo de "descompressão" ainda incipiente e que, por isso, ainda não foi observado no Índice de Preços ao Consumidor (IPC). Com peso de 30% no IGP-M, o IPC subiu de 0,69% para 0,87% entre dezembro e janeiro, puxado pelo aumento de 0,65% para 2,92% no grupo educação, leitura e recreação. Pela metodologia da FGV, os reajustes de mensalidades escolares têm impacto sobre a inflação no primeiro mês do ano. Já o grupo alimentação teve uma leve alta no período, ao passar de 0,94% para 1,06%.

31/01/2014 - 13:34

31/01/2014 - 13:34 Baixa procura obriga descarte de flores e traz prejuízos em MG Globo Rural Produtores de rosas estão jogando parte das flores no lixo. O ano começou com queda nas vendas. As rosas desabrocharam e estão bonitas na propriedade de José de Souza, em Alfredo Vasconcelos, no Campo das Vertentes de Minas Gerais, mas isso não é um bom sinal porque o ponto de colheita das flores é quando as pétalas ainda estão fechadas. Os produtores dizem que as empresas de ornamentação não encomendaram grandes quantidades em janeiro e a produção está encalhada nas propriedades. No ano passado, a dúzia era vendida a R$ 15. Este ano, o preço caiu 50% e, mesmo assim, não há compradores. O resultado são tratores carregados com rosas que não serão aproveitadas e 60% da produção foi perdida. A quantidade de flores armazenadas é grande porque além da baixa demanda, essa é a época do auge da colheita. O calor do verão acelera o crescimento da rosa e o tempo do ciclo de produção cai de 60 para 45 dias. Depois de cortadas, as flores vão para a câmara fria à espera de compradores e podem durar até oito dias. Quando ficam velhas são jogadas fora, prejuízo que chega a R$ 20 mil em algumas propriedades.

31/01/2014 - 13:13

31/01/2014 - 13:13 Hortaliças e cereais apresentam maior crescimento Valor Econômico O segmento de maior crescimento entre os orgânicos, segundo Alexandre Harkaly, diretor executivo da certificadora IBD que tem hoje perto de 1 mil clientes, são as hortaliças, seguidas dos cereais, que sofrem pela limitação tecnológica para expansão de áreas por dificuldades com controle mecânico de ervas daninhas. "O mercado produtor não dá conta da demanda e os preços sobem." A expansão externa ajuda a estimular os negócios. O Brasil abriga o maior fornecedor mundial de açúcar orgânico, a Native, subsidiária do grupo Balbo e responsável por 33% da produção mundial, com produtos presentes em mais de 60 países e 150 tipos de alimentos orgânicos - a marca assina também sucos, achocolatados, cereais matinais, cookies, geleias, café, azeite, bebidas de soja, chocolate e água de coco, seu mais recente lançamento, e acaba de lançar loja virtual para ampliar o alcance do consumidor. A Agropalma produz 12 mil toneladas anuais de óleo de palma orgânico, 10% de sua produção total e 95% destinadas ao mercado externo. "A fabricação de industrializados no Brasil é incipiente. Mas vemos o consumo aumentou quase 20%", diz o gerente de exportações André Gasparini. O óleo é usado para a produção de alimentos como salgadinhos e é o produto mais comercializado em todo o mundo, mas o Brasil, com olhos na soja, responde por apenas 0,5% da produção mundial. Em café orgânico, a líder brasileira é a produtora e trader Camocim, de Henrique Sloper. O empresário registra alguns avanços, como o surgimento de fornecedores de insumos como as 120 toneladas de adubo orgânico consumidas ao ano, mas ainda produz apenas 1,2 mil sacas das 2,5 mil almejadas em sua fazenda no Espírito Santo e tem dificuldade para encontrar fornecedores e atender a meta de movimentar 10 mil sacas ao ano. "A demanda no Brasil é tímida. Exporto 90% da produção." Marcas especializadas no segmento, como Jasmine, Vitalin e Korin, avançam nos quesitos industrialização e variedade. A primeira assina produtos integrais e orgânicos e, no ano passado lançou uma linha para bebês com papinhas, mingaus e purês de frutas. "Somos os primeiros concorrentes da Nestlé no Brasil", comemora o diretor Damian Allain. Hoje os itens certificados respondem por 20% do portfólio de 170 SKUs e 15% do faturamento, que no ano passado chegou a R$ 120 milhões. A Vitalin oferece 25 itens entre alimentos integrais e orgânicos e registrou crescimento de 67% em 2013, quando faturou R$ 8 milhões de reais, diz o diretor Rogério Manske. No ano passado, lançou produtos como os cookies integrais. Este ano, será a vez da granola. A Korin, por sua vez, passou de R$ 20 milhões de faturamento em 2007 para os R$ 76 milhões do ano passado com as linhas sustentável e orgânica certificada - os frangos da marca, por exemplo, são sempre isentos de antibióticos, criados soltos e alimentados sem farinhas de origem animal, mas no primeiro caso consomem milho e soja convencionais. Além de frangos, ovos e vegetais, fornece uma centena de artigos certificados resultantes de produção própria ou de terceiros e avança na industrialização, com linhas como as de sopas e, em breve, de massas prontas, leites e laticínios. Na linha sustentável, não certificada, as novidades são as carnes bovinas de animais criados pela Associação Brasileira de Pecuária Orgânica e os cosméticos à base de fitoingredientes, produzidos pela Arvenes. "Alguns produtos orgânicos importados, como massas secas, são vendidos como sustentáveis, porque a lei é restritiva", diz o diretor geral Reginaldo Morikawa. A marca atua também no varejo e desde o ano passado com franquias, já com três lojas. O crescimento passa de 30% ao ano. Mesmo índice registrado nas vendas de orgânicos pelo Pão de Açúcar. A categoria está presente em 100% das lojas da rede e sua marca de alimentação saudável Taeq apresentou novidades orgânicas recentes como sucos prontos e queijos. O grupo mantém programa de identificação e capacitação e fornecedores há oito anos, com 140 produtores orgânicos. "Todos devem ser certificados", diz a gerente comercial de orgânicos Sandra Saboia.