quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Embrapa confirma, pecuária de corte pode até gerar crédito de carbono quando bem manejada



Publicado em 13/11/2019 14:07


Embrapa desenvolve primeiro programa brasileiro que mede emissão de carbono na produção de carne
Fabiana Villa - Embrapa Gado de Corte

Podcast

Embrapa confirma, pecuária de corte pode até gerar crédito de carbono quando bem manejada
Download

Tags:
 

China é o principal destino das exportações brasileiras, aponta FGV



Publicado em 13/11/2019 14:08


A China é o principal destino das exportações brasileiras, segundo o Indicador de Comércio Exterior (Icomex), da Fundação Getulio Vargas (FGV), com 27,8% dos produtos exportados pelo Brasil. A diferença para o segundo colocado, os Estados Unidos, ficou em 14,7 pontos percentuais. A participação da China no comércio exterior brasileiro supera até a do bloco da União Europeia, que soma 16,3%. Os dados foram divulgados hoje (13).
A recessão na Argentina influenciou o percentual de 4,4% daquele país. Esse resultado é o segundo menor na série histórica, que começou em 2000. O outro desempenho desfavorável foi em 2002. Com queda no PIB de 10,9%, a participação da Argentina nas exportações brasileiras ficou em 3,8%.
O indicador, que calcula de forma mais detalhada o nível de atividade dos setores produtivos, analisa dados da Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai, Venezuela e da Argentina. Além desses países, que compõem o grupo Demais da América do Sul, o Icomex inclui informações da China, dos Estados Unidos e da União Europeia. De acordo com a FGV, esses países/regiões somam 69,6% das exportações totais brasileiras no acumulado do ano até outubro. No mesmo período as importações representaram 66,9%.
Balança comercial
O Icomex indica que os superávits da balança comercial do Brasil são influenciados pelo comércio exterior com a China. No acumulado até outubro, o saldo da balança somou US$ 34,9 bilhões. Só com a China, foi US$ 21,4 bilhões. O grupo Demais da América do Sul teve saldo de US$ 6,4 bilhões e a União Europeia de US$ 2 bilhões.
Apesar de ser o principal mercado das compras externas brasileiras, a diferença dos percentuais nas importações da China no mês é menor em relação aos Estados Unidos e a União Europeia. No caso da América do Sul, a diferença é de 8,6 pontos percentuais.
Recuo
Segundo a FGV, os volumes exportados caíram em todos os mercados, com exceção dos Estados Unidos, que registrou aumento de 13,3%. A queda de 10% nos preços das exportações no período favoreceu o aumento de 2% no valor exportado, apesar da elevação em mais de 10% no volume. O petróleo foi o principal produto exportado, seguido das semimanufaturas de aço. Os destaques da lista das principais exportações com variação positiva são a gasolina (332%), o etanol (25%) e outras manufaturas (44%). Para a China, o volume exportado caiu 2,8% e a Argentina, que enfrenta recessão, registrou queda de 35,9% no volume e 38,4%, em valor.
O maior aumento nas importações foi registrado com os Estados Unidos, que tiveram de 13% de elevação no volume, seguido da China com 1,6% e recuo nos demais mercados. A principal importação do Brasil dos Estados Unidos são os óleos combustíveis e o principal produto exportado o petróleo bruto.
Na visão da FGV, o resultado mostra um comércio associado à questão da infraestrutura de refino no território brasileiro.
Tags:
 
Fonte: Agência Brasil

Imea aponta desaceleração nas vendas de milho no Mato Grosso



Publicado em 13/11/2019 14:12


O Imea (Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária) divulgou relatório apontando recuo nas vendas de milho no Mato Grosso.
“As vendas do cereal no mês desaceleraram devido à retração dos produtores para negociar o restante da sua produção, o que é comum neste período de entressafra, além da preocupação quanto à menor disponibilidade do milho até a entrada da próxima safra”, diz a publicação.
O Instituto aponta destaca que a comercialização de milho em Mato Grosso para a safra 2018/19 avançou apenas 2,09% no mês de outubro, alcançando 95,40% da safra já negociada. Já para a safra 2019/20, a venda do milho seguiu a passos lentos, atingindo 44,49% da produção já vendida e apresentou um avanço mensal de 2,60%.
“As negociações foram pautadas nas movimentações do cenário externo que, por sua vez, é reflexo dos trâmites comerciais entre a China e os EUA, aliadas à queda das cotações na CME, principalmente”, explica o relatório.
Veja o relatório completo no site do IMEA.
Tags:
 
Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

Produção de cacau em Roraima deve expandir para mais 4 municípios



Publicado em 13/11/2019 14:25


Atualmente, apenas Caroebe produz e comercializa o fruto. Caracaraí, Rorainópolis, São João da Baliza e São Luís esperam por sementes
O projeto surgiu durante um dos Fóruns da Agricultura Familiar, conduzidos pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) junto aos agricultores do Sul do Estado. Em uma das discussões, foi levantada a potencialidade do município de Caroebe para a cultura de cacau, que ainda em 2015 já plantava e comercializava a fruta para o Amazonas. Ali surgia o Polo Cacaueiro de Roraima.
Passados quatro anos, o desafio da vez é consolidar e expandir a produção aos demais municípios já reconhecidos pela Comissão Executiva de Planejamento da Lavoura Cacaueira (Ceplac) como zonas propícias ao cultivo. São eles: Caracaraí, Rorainópolis, São João da Baliza e São Luís do Anauá. O primeiro passo, contudo, é a elaboração de um relatório de prestação de contas que já está sendo produzido pela Embrapa.
Leia a íntegra no site da Folha de Boa Vista.
Tags:
 
Fonte: Folha de Boa Vista

Em encontro com Xi Jinping, Bolsonaro defende ampliar e diversificar comércio com China



Publicado em 13/11/2019 14:40


O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira, depois de reunião bilateral com o presidente chinês, Xi Jinping, que o governo e os empresários brasileiros querem ampliar e diversificar o comércio com a China e que todos têm a ganhar com essa relação.
"Essa relação bilateral em várias áreas, inclusive com aceno de agregarmos valor ao que produzimos, é muito bem-vinda", disse Bolsonaro ao lado de Xi.
A China é o principal destino das exportações brasileiras, mas o comércio até hoje é basicamente concentrado em commodities, especialmente soja e minério de ferro. O governo brasileiro tenta há bastante tempo ampliar a pauta para incluir mais manufaturados e aumentar o valor agregado das exportações.
O encontro com o presidente chinês acontece à margem da Cúpula dos Brics --grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul-- e é a primeira das quatro bilaterais que Bolsonaro terá com os países do bloco.
Durante o encontro foram assinados oito protocolos e memorandos de entendimento. Entre eles, um protocolo sanitário para exportação de melão, o que deve abrir o mercado chinês para a fruta brasileira.
Tags:
 
Fonte: Reuters

Aprosoja MT alerta produtores sobre a importância da análise de fertilizantes



Publicado em 13/11/2019 14:42


A Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT) faz um alerta aos produtores rurais quanto a importância de efetuar a análise dos fertilizantes aplicados na lavoura. A preocupação surgiu da verificação das amostras desses insumos, coletadas durante o projeto Circuito Tecnológico Etapa Soja, que percorreu as quatro regiões do Estado este ano.
Em sua 11ª edição, resultados parciais do CT Soja demonstram a reprovação de 31,9% das amostras de fertilizantes coletados e encaminhados para análise em laboratórios credenciados. “Essa pesquisa é de suma importância para o produtor. E serve para alertá-los a fazerem sua própria análise também, a confiarem a laboratórios credenciados e acreditados pela Embrapa e o Ministério da Agricultura”, pontuou o diretor administrativo da Aprosoja-MT, Lucas Costa Beber.
Gerente Sustentabilidade Socioambiental da Aprosoja Mato Grosso, Marlene Lima, orienta que os produtores que tiveram problemas com fertilizantes devem procurar a empresa fornecedora e cobrar os devidos esclarecimentos. “Até por se tratar de direito do consumidor. Temos casos de produtores que tiveram problemas com fertilizantes, como resultados muito aquém do esperado, eles reclamaram e foram ressarcidos pela empresa fornecedora”, orientou.
Amostras - As amostras são coletadas nas fazendas do Estado pelos supervisores de projetos da entidade. São analisadas em laboratórios que tem tradição em análise química de fertilizantes. Posteriormente o resultado da análise é comparado com a garantia informada pelo fabricante, onde é feito um laudo, realizado por um consultor técnico independente (contratado pela Aprosoja-MT), com vasta experiência em fertilizantes. Neste laudo ele avalia cada amostra individualmente e considera todos os nutrientes informados da garantia pelo fabricante.
Marlene Lima lembra ainda que é importante informar que “para fazer o laudo, o consultor considera a legislação vigente a qual os fertilizantes fazem parte, que é regida pelo Ministério da Agricultura, onde a lei destaca que, para um fertilizante ‘não conforme’ (reprovado), há uma tolerância entre o valor encontrado na análise química e o valor da garantia dada pelo fabricante”.
Circuito Tecnológico - Idealizado para realizar um raio-x em quesitos técnicos, estruturais, de gestão da propriedade, de mão de obra e quesitos legais, o Circuito Tecnológico Etapas Soja e Milho garantem a melhoria contínua dos sistemas produtivos e das ações das entidades da classe dos produtores rurais.
A expedição pode identificar demandas de novos projetos ou mesmo reiterar demandas já conhecidas do agricultor, como a fiscalização da qualidade das sementes de soja e a de fertilizantes e estimativa de safra. Com os dados dos questionários compilados e as análises de amostras de sementes e fertilizantes coletadas em campo, é gerado relatórios, notícias, apresentação dos resultados em reuniões e informações ao produtor rural.
Iniciado em julho de 2019, o 11º Circuito Tecnológico Etapa Soja, até o momento recolheu 668 amostras de fertilizantes, foram 623 laudos prontos e enviados, e ainda, foram entregues ao produtor via whatsApp, o parecer técnico mais o laudo das análises. Foram 66 municípios participantes e 386 propriedades. O resultado final desta etapa deve ser finalizado em março de 2020.
Fonte: Aprosoja MT

Brasil e China firmam acordos em áreas como política, comércio e saúde



Publicado em 13/11/2019 14:42



Brasil deve exportar melão para a China e importar pera chinesa
Brasil e China assinaram hoje (13) acordos e memorandos de entendimento nas áreas de política, economia, comércio, agricultura, inspeção sanitária, transporte, saúde e cultura. O presidente chinês, Xi Jinping, está em Brasília, para participar da 11ª reunião de Cúpula do Brics e se reuniu na manhã desta quarta-feira com presidente Jair Bolsonaro, no Palácio do Itamaraty.
Em declaração à imprensa, Bolsonaro disse que o governo e o empresariado brasileiro querem ampliar e diversificar o comércio com a China. Para o presidente, os atos assinados dão impulso a essas relações. “Essa relação bilateral em várias áreas, inclusive com aceno do governo chinês em agregar valor naquilo que nós produzimos, tudo isso é muito bem-vindo”, disse.
O presidente Xi Jinping avaliou como positivos os esforços do governo brasileiro para o desenvolvimento socioeconômico do Brasil e disse que a China quer fortalecer a amizade e cooperação, bem como aumentar e melhorar o comércio e os investimentos no país. Segundo ele, os dois países concordaram em intensificar os contatos de alto nível e fazer bom uso da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban) e de outros mecanismos bilaterais.
Além disso, a expectativa da China é continuar o alinhamento entre as políticas de desenvolvimento e investimento dos dois países: o Programa de Parceria de Investimento (PPI) do Brasil e a Iniciativa do Cinturão e da Rota da China.
Para Xi Jinping, Brasil e China são os maiores mercados emergentes do mundo, em um contexto de mudanças do comércio global, e devem se esforçar juntos para que a cúpula do Brics obtenha resultados e emita um sinal positivo de que seus membros - Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – consolidam essa parceria estratégica e apoiam o multilateralismo, a equidade e a justiça internacional.
O encontro entre os dois chefes de Estado ocorre menos de um mês depois de o presidente Jair Bolsonaro visitar a China. Na ocasião, também foram assinados atos em política, ciência e tecnologia e educação, economia e comércio, energia e agricultura.
A China é o maior parceiro comercial do Brasil. Em 2018, o fluxo de comércio entre os dois países alcançou a marca de US$ 98,9 bilhões. O país asiático também é um dos principais investidores em áreas cruciais, como infraestrutura e energia.
Acordos
Entre os atos assinados hoje estão protocolos sanitários para exportação de pera da China ao Brasil e de melão do Brasil para a China. Também foi firmado um plano de ação na área de agricultura, de 2019 a 2023, nas áreas de políticas agrícolas; inovação científica e tecnológica; investimento agrícola; comércio agrícola; entre outras.
No setor de transporte, foi assinado memorando de entendimento para o compartilhamento de boas práticas, políticas públicas e estratégias para o seu desenvolvimento. Prioritário para o Brasil, o governo entende que pode se beneficiar da experiência dos chineses, considerando que a China é uma das líderes mundiais no setor.
Saúde
O Ministério da Saúde e a Administração Nacional de Medicina Tradicional Chinesa também pretendem estabelecer cooperação ampla no campo de saúde, com foco em medicina tradicional, complementar e integrada. As Práticas Integrativas e Complementares (PICS) são tratamentos que utilizam recursos terapêuticos baseados em conhecimentos tradicionais, voltados para prevenir diversas doenças como depressão e hipertensão. Em alguns casos, também podem ser usadas como tratamentos paliativos em algumas doenças crônicas.
Ambiente favorável
Brasil e China querem ainda criar um ambiente favorável para o comércio e investimento no setor de serviços e encorajar o investimento do setor privado. Outro ato assinado hoje estabelece uma plataforma de intercâmbio de informações e cooperação para fomentar investimentos. A China é uma das principais origens de Investimentos Estrangeiros Diretos (IEDs) no Brasil, que se concentraram nas áreas de energia (geração e transmissão elétrica, além de óleo e gás) e infraestrutura (portuária e ferroviária).
Também foi assinado um tratado que permitirá a transferência de pessoas condenadas para o território do outro país. Nesse caso, cumpridos certos requisitos, brasileiros condenados na China poderão cumprir a pena no Brasil e vice-versa.
Na área cultural, o Ministério da Cidadania e o China Media Group (CMG) querem promover o intercâmbio de filmes e programas televisivos, bem como festivais de cinema brasileiro na China e festivais de cinema chinês no Brasil, para divulgação recíproca de filmes. De acordo com o governo brasileiro, pretende-se, ainda, iniciar conversas sobre a possibilidade de se estabelecer um canal de televisão por assinatura dedicado exclusivamente a programas e filmes sino-brasileiros.
Brics
A bilateral entre Bolsonaro e Jinping acontece no âmbito da 11ª reunião de cúpula do Brics, grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. A programação do evento começa nesta tarde com o encerramento do Fórum Empresarial do Brics. Antes, Bolsonaro também se encontra, no Palácio do Planalto, com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi.
À noite, de volta a Itamaraty, o governo brasileiro oferecerá um jantar em homenagem aos líderes do bloco e amanhã, também na sede do Ministério das Relações Exteriores, serão feitos as sessões plenárias e o almoço de encerramento da cúpula.
Presidida pelo Brasil, a reunião do Brics tem como lema “Crescimento Econômico para um Futuro Inovador”. Segundo o Itamaraty, serão discutidos, prioritariamente, temas relacionados à ciência, tecnologia e inovação, economia digital, saúde e combate à corrupção e ao terrorismo.
Esta é a segunda vez que Brasília sedia a conferência – a primeira vez foi em 2010. Em 2014, o Brasil também organizou a cúpula, que aconteceu em Fortaleza, no Ceará. Juntos, Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (cujas iniciais, em inglês, deram nome ao grupo) reúnem uma população de cerca de 3,1 bilhões de pessoas, o que equivale a aproximadamente 41% da população mundial, e responde por 18% do comércio mundial.
Tags:
 
Fonte: Agência Brasil

Trump diz que tomará em breve decisão sobre tarifas a automóveis



Publicado em 13/11/2019 14:58


O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta quarta-feira que foi notificado sobre a questão de impor tarifas a importações de carros e autopeças aos EUA e que tomará uma decisão em breve.
Trump fez a declaração a repórteres na Casa Branca após se reunir com o presidente turco, Tayyip Erdogan.
(Reportagem de Alexandra Alper e Humeyra Pamuk)
Tags:
 
Fonte: Reuters